Costumes antigos

Século 19: os medicamentos que as pessoas tomavam continham princípios ativos assustadores

Remédios do século 19: drogas e venenos proibidos nos dias de hoje

Século 19: os medicamentos que as pessoas tomavam continham princípios ativos assustadores
5 (100%) 2 votes

A história da farmácia e do medicamento é tão antiga como a história da humanidade. Há milhares de anos o homem, para curar doenças e ferimentos, tirava partido de práticas mágicoreligiosas e preparava fórmulas com produtos naturais. Contudo, os remédios do século 19 são drogas e venenos proibidos, hoje, em todo o mundo!

Assim, desde os tempos medievais a indústria farmacêutica já brilhava com os famosos “alquimistas”. Eram homens comuns que dedicavam sua vida a estudar misturas para curar doenças, obter armas (como a pólvora, por exemplo) e criar fragrâncias. Mas foi no século 19 (anos 1800s) que o médico-farmacêutico deu um pontapé no sistema hospitalar e no uso comercial de drogas. Algumas dessas drogas hoje são proibidas, inclusive.

Foi no século 19 que aconteceram as descobertas dos primeiros princípios ativos. O que permitiu obter novos medicamentos a partir da análise química e orgânica. Veja alguns medicamentos polêmicos da época.




Leia também: Gravidez na Era Vitoriana: regras absurdas que as grávidas do sécul0 19 precisavam seguir

Pílulas e extrato de Cannabis

Remédios do século 19: drogas e venenos proibidos nos dias de hoje

Costume herdado de centenas de anos antes, os medicamentos – pílulas, óleos, extratos e elixir – de Cannabis eram parte da maleta dos médicos no Século 19. De acordo com estudos da época, eram usados para tratar dores do parto, reumatismo e transtornos nervosos. Eram inclusive receitados a bebês, para que parassem de chorar por conta das dores de dente. Um dos elixires mais famosos da época, misturava Cannabis, álcool e clorofórmio e servia para acalmar a tosse. Somente em 1937, uma lei aprovada pelo congresso dos EUA proibiu médicos de receitar maconha. (1)

Pó, extrato e anestésico de cocaína



Remédios do século 19: drogas e venenos proibidos nos dias de hoje

No século 19 a realidade da cocaína estava longe de ser o que é hoje. A coca crescia livremente na América e foi isolada pela primeira vez em 1860, recebendo o nome de cocaína. Era receitada pelos médicos para dores fortes. No entanto, era indicada para depressão, para distúrbios do sistema digestivo, fraqueza, contra a asma, tosse seca e como estimulante sexual. Foi no século 19 que a cocaína passou a ser usada também como anestésico em cirurgias de garganta. A proibição da droga veio depois que os pacientes passaram a viciar. Ficou mundialmente proibida com relatos de convulsões, problemas pulmonares, distúrbios nervosos, necrose do septo nasal e outros. (2)

Extrato, compridos, géis de Heroína

Remédios do século 19: drogas e venenos proibidos nos dias de hoje

A Heroína, certamente, foi um dos medicamentos mais usados no século 19. Como a tuberculose e a pneumonia eram as principais causas de morte na época, a heroína, que é um sedativo diminuía a velocidade da respiração, dando alívio rápido aos sintomas. Assim, passou a ser usado como um medicamento “de ponta” na indústria farmacêutica. A substância era usada por idosos, jovens, bebês e crianças para acalmar a dor e a tosse. Mas, obviamente, não demorou muito até que alguns médicos percebessem os efeitos colaterais da droga maravilhosa. (3)

Ópio para tudo



Remédios do século 19: drogas e venenos proibidos nos dias de hoje

O ópio é uma mistura de alcaloides extraídos da papoula (Papaver somniferum ), de ação analgésica, narcótica e hipnótica. É dele que vem a morfina, heroína e cocaína. No século 19 era considerado um dos medicamentos mais incríveis da época. Era comercializado, principalmente, como nome de Laudanum, uma mistura de ópio e álcool. Era usado para acabar com a dor e como sedativo. Aliás, muitos recém-nascidos foram medicados com o Laudanum. (4)

Até Arsênio?

Remédios do século 19: drogas e venenos proibidos nos dias de hoje

Por causa do uso do arsênio, muita gente ficou envenenada ao longo da história. Apesar de ser uma potente toxina neurológica e hepática, assim como um carcinógeno para pulmão, bexiga e pele, foi amplamente usado na medicina. Foi responsável pelo tratamento da tripanossomíase e da sífilis. É claro que até considerarem seus efeitos tóxicos, muita gente morreu envenenada pelo uso contínuo. O problema é que essa subst6ancia envenena o organismo com sintomas de intoxicação alimentar. Daí os médicos, sempre achavam que as pessoas envenenadas haviam simplesmente comido algo que fez mal. Até perceberem o real problema, muita gente morreu. (5)

 

As fontes estão citadas em cada legenda

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


O Diário de Biologia é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre de assuntos relacionados a Biologia, Saúde e Pesquisa. O material fornecido na categoria saúde, nutrição e bem-estar, não deve ser usado como conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.
Topo