Sintomas da andropausa: O que o homem vai sentir se os níveis de testosterona caírem?


Muitos homens se perguntam quando irão começar a apresentar os sintomas da andropausa.

Embora bem menos discutida que a menopausa feminina, a andropausa pode apresentar sintomas clássicos com o avanço da idade.

Conhecida como menopausa masculina ou hipogonadismo de início tardio, a síndrome da andropausa é predominante em homens com idade superior aos 50 anos (1).

O termo mais utilizado no Brasil é a Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino (DAEM), caracterizada pela redução dos níveis de testosterona, que é intensificada durante o envelhecimento do homem.

A testosterona é o hormônio responsável pela maioria dos caracteres sexuais masculinos.

Produzido nos testículos e controlado por glândulas no cérebro, estima-se que os níveis de testosterona caem aproximadamente 1% a cada ano em homens com idade superior aos 30 anos.

Enquanto em homens que possuem idade na faixa dos 60 anos, os níveis reduzem 20% (2).

O que é Andropausa?

A andropausa ou climatério masculino está associada ao declínio da produção hormonal.

 Os sintomas da andropausa são comparados de forma análoga aos sintomas da menopausa feminina.

Normalmente, os homens não possuem o climatério demarcado nitidamente como as mulheres na menopausa.

Os níveis de hormônios androgênicos caem gradativamente e muitas vezes o funcionamento biológico dos homens se aparenta normal.

A deficiência da produção de hormônios sexuais e o desenvolvimento de sintomas de natureza física, psicológica e sexual, no entanto, são os principais sinais de andropausa.

Além do mais, os sintomas da andropausa podem acometer os homens antes mesmo dos 50 anos de idade, conhecida como andropausa precoce.

Esses sintomas são semelhantes a síndrome da andropausa, porém devido ao estresse, depressão e ansiedade ou também por problemas endócrinos, diabetes, obesidade e infecções testiculares, a andropausa pode atingir o homem antes mesmo da idade comum.

Quais são os sintomas da Andropausa?

Os sintomas do climatério masculino incluem a deficiência de hormônios sexuais devido ao envelhecimento.

Além da redução dos níveis de testosterona, sintomas físicos, psicológicos e sexuais estão associados a andropausa.

Mas, também são sintomas da andropausa.

  • fadiga
  • ondas de calor
  • dificuldade de concentração
  • disfunção sexual
  • alterações de humor
  • ansiedade
  • insônia
  • perda de motivação e memória
  • redução da densidade óssea

Acredita-se que muitos desses sintomas são semelhantes aos de mulheres na menopausa.

Porém, a síndrome da andropausa tem um desenvolvimento mais lento.

Geralmente, os homens na idade da andropausa têm funções profissionais responsáveis ​​e estão no auge de suas carreiras.

Os problemas psicológicos e de saúde, acarretam em distúrbios emocionais devido a insatisfação geral.

Estudos já comprovaram que a maioria dos homens na andropausa apresentam distúrbios depressivos (3).

Como aliviar os sintomas da Andropausa?

Por ser uma síndrome de ocorrência natural e sem cura, existem diferentes maneiras e hábitos que podem ser adotados como forma de aliviar os sintomas da andropausa.

Adquirir hábitos mais saudáveis na alimentação e a realização de atividades físicas, por exemplo, são fundamentais para amenizar os sintomas do climatério masculino.

O controle do estresse e ansiedade, assim como dormir bem e consultar um médico periodicamente, são medidas eficazes para o bem estar e a qualidade de vida do indivíduo.

Exames para diagnóstico da Andropausa

O diagnóstico da andropausa pode ser realizado através de exames para andropausa em laboratório.

Além disso, sinais e sintomas clínicos são levados em consideração (4).

Os baixos níveis séricos de testosterona são apontados como o primeiro sinal de andropausa.

Uma dosagem sérica desse hormônio, no entanto, permite afirmar se os níveis androgênicos estão abaixo do normal.

Todos os sintomas da andropausa apresentados acima podem ser apontados no diagnóstico clínico.

Já o diagnóstico laboratorial consiste na comparação dos níveis séricos de testosterona do homem a um valor referenciado.

Geralmente são utilizados Kits comerciais para dosagem.

Os valores de referência, portanto, variam de acordo com o laboratório.

Pesquisas apontam que esses valores, em geral, se encontram entre 300 ng/dL a 1.000 ng/dL de testosterona livre e biodisponível no soro (5).

Tratamento para Andropausa

Os sintomas da andropausa podem ser tratados.

A princípio, estudos têm demonstrado que o tratamento da andropausa com dosagens de testosterona tem sido eficaz (6).

Pacientes que adotaram essa terapêutica apresentaram melhora na qualidade de vida, restauração da libido, aumento de massa magra e densidade mineral óssea.

Além de apresentar outros benefícios como o aumento da força muscular, principalmente dos membros inferiores e da composição corporal.

No entanto, existem controvérsias sobre a utilização desse tipo de tratamento.

Estudos apontam que pode aumentar o risco de câncer da hipófise, de doença cardiovascular e acelerar a evolução de certos tumores.

O excesso de dosagens de testosterona também pode desencadear apneia do sono, que é caracterizada por ruídos e interrupções na respiração durante o sono (7).

Sendo assim, a prescrição dessa terapêutica deve ser bem criteriosa e baseada no acompanhamento dos níveis hormonais do paciente.

Considerações finais sobre sintomas da andropausa

Apesar da maioria dos homens são saberem e/ou entenderem o conceito de andropausa, principalmente pela sintomatologia inespecífica e multifatorial, é importante adotar uma alimentação e hábitos saudáveis para aliviar os sintomas da andropausa.


Por fim, por ser um processo natural do organismo devido ao envelhecimento, buscar terapias para o climatério masculino é essencial para garantir o bem estar e saúde do homem.

  1. Przeglad Menopauzalny (1)
  2. International Journal of Scientific & Engineering Research (2)
  3. International Journal of Impotence Research (3)
  4. Asian Journal of Andrology (4)
  5. Revista da Associação Médica Brasileira (5)
  6. Iranian Red Crescent Medical Journal (6)
  7. Revista da Associação Médica Brasileira (7)
  8. Portal da Urologia (8)

Revisão profissional: Dr. Alexandre Amato - Médico Cirurgião Vascular e Endovascular


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.