Homem

Anorgasmia: Quando o homem não consegue ejacular ou demora muito

Anorgasmia: Quando o homem não consegue ejacular

Enquanto muitos homens atingem o clímax precocemente, muitos – mais do que você imagina – não conseguem chegar lá. A anorgasmia é uma disfunção sexual que acontece quando o homem não consegue ejacular ou demora muito – mais de 40 minutos de estimulação constante. A disfunção pode afetar também as mulheres, mas, são os homens que se sentem mais frustrados e preocupados com a situação.

Apesar de pouco de falar sobre a anorgasmia, os especialistas garantem que esse problema é comum e recorrente entre os homens. A estimativa é de que cerca de 8% a 14% da população masculina sofre de anorgasmia, em algum estágio. A saber, chama-se de anorgasmia primária, quando o homem nunca teve um orgasmo; secundária quando já experimentou, mas passou a ter dificuldades; situacional, quando ocorre em algumas situações e generalizado quando é incapaz de atingir o clímax em qualquer situação de estímulo.




Situacional: o tipo mais comum

 Segundo a terapeuta e sexólogɑ Walkíria Fernandes, existem homens que nunca experimentaram uma ejaculação durante o ato sexual, embora ela aconteça facilmente quando está sozinho ou por intimidade oral. Muitas vezes ele só consegue ejacular quando interrompe o coito. Outras vezes o homem só consegue alcançar o clímax quando não está na presença da parceira, sendo necessário, às vezes, ficar sozinho após o ato íntimo para conseguir ejacular. “Na maioria das vezes esta queixa está relacionada a conflitos inconscientes”, disse a especialista.

Como saber se meu problema é anorgasmia?



A psicóloga, especialista em disfunções sexuais psicogênicas, Dra. Larissa Mamedes explicou que quando um físico ou psíquico bloqueia o clímax, temos a falta de orgasmos, ou anorgasmia. Conforme explicado a acima, ela pode ser situacional ou generalizada, ou seja: ocorrer sempre ou algumas vezes. Isso quer dizer, que  se acontecer algumas vezes não significa que seja anorgasmia. Existem regras para o diagnóstico.

De acordo com a psicóloga Andréa Alves, da coluna Falando de Sexo, o tempo para indicar que existe um problema deve ultrapassar de 30 a 40 minutos de movimentos intravɑginais. “A maioria dos homens que não alcançam o clímax nota que isto ocorre também quando estão sozinhos”, acrescenta.

Leia também: Pênis torto: Por que alguns homens têm? Quais são as causas? Urologista explica

Causas psicológicas



Grande parte dos homens com anorgasmia – dos tipos secundária, generalizada e situacional – desenvolvem o problema por fatores psicológicos. De acordo com a especialista Walkíria Fernandes, ao procurar tratamento, quase sempre, queixa está relacionada a conflitos inconscientes, sentimento de culpa em relação ao sexo, à forma pela qual o homem percebe a figura feminina, à punição pela atividade sexual etc. “ A anorgasmia psicológica, costuma trazer grande ansiedade o fato de se esforçar para chegar ao final com êxito, dificultando a sua entrega com relaxamento esperado”, disse.

Causas físicas

Nem sempre o problema é de cunho psicológico. Muitos homens desenvolvem anorgasmia pela idade avançada, por problemas físicos devido a doenças que afetam a região reprodutiva do corpo, como diabetes e esclerose múltipla. Além disso cirurgias e até uso de medicamentos para hipertensão também podem ser os culpados. Problemas alérgicos graves e consumo excessivo de álcool e cigarro podem levar a anorgasmia com o tempo.

Dr. Antonio de Moraes Junior, coordenador geral do Departamento de Andrologia e Medicina Sexual da Sociedade Brasileira de Andrologia, explicou que a principal causa física que impede o homem de atingir o clímax é o uso de medicamentos que relaxam o colo da bexiga. Tais medicamentos são usados no tratamento de distúrbios urinários, e tem esse efeito colateral devastador. Além disso, o médico contou que o uso de antidepressivos tem a fama de diminuir o apetite sexual, junto com isso, o homem pode ter também anorgasmia.

E por fim, menos comum, Dr Antônio aponta lesões durante cirurgias da próstata como uma possível causa. No mais, distúrbios hormonais, lesões do nervo da medula ou de nervos pélvicos e uso de drogas pesadas como cocaína, heroína e crack, por exemplo.

Leia também: Sangue no esperma: há algo errado com você? Médico explica

Tratamentos

Dra. Walkíria explicou em seu site como é feito o tratamento para anorgasmia de origem psicológica: “Consiste em identificar os fatores específicos responsáveis pela inibição da queixa do paciente a fim de modificá-los. Para isso são utilizadas técnicas específicas de sensibilização sistemática e da Psicoterapia Cognitivo Comportamental (TCC). Discórdias conjugais existentes obviamente também devem ser averiguadas”, escreveu.

De acordo com Dr. Antonio Moraes, em muitos casos a anorgasmia física pode ser curada com suspensão das medicações e drogas que causam o problema e a correção cirúrgica. No entanto, ele frisa a importância de uma terapia no tratamento, mesmo que ele seja um problema físico.

Terra / sexologawalkiriafernandes / doctoralia

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


O Diário de Biologia é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre de assuntos relacionados a Biologia, Saúde e Pesquisa. O material fornecido na categoria saúde, nutrição e bem-estar, não deve ser usado como conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.
Topo