Diabetes Gestacional: tratamentos, riscos e como evitar o diabetes na gravidez

458

Diabetes gestacional é um dos temas que mais preocupam as gestantes na atualidade e um dos mais frequentes assuntos, pois pode causar problemas tanto para a mãe, quanto para o bebê.

Para se entender o que é a diabetes gestacional, precisamos compreender também, a sua fisiologia.

Quando consumimos um alimento, nosso corpo absorve a glicose através da insulina, que vai para a corrente sanguínea.

Mas, durante a gestação ocorre um fenômeno fisiológico que impede que a insulina haja eficazmente, fazendo com que a taxa de glicose fique mais alta.

Então, a partir do momento em que a mãe passa a ter essa dificuldade de absorver a glicose e joga-la para dentro das células de seu corpo, ela repassa uma alta quantidade para o feto através da placenta.

Infelizmente, isso leva o feto a receber muita glicose e a produzir muita insulina que é basicamente um hormônio anabolizante produzido pelo pâncreas.

O pâncreas, ao mesmo tempo, produz o Glucagon, estimulando o feto a crescer muito.

Isso, levará a um aumento de peso e tamanho, além da quantidade de líquido amniótico.

Sintomas de diabetes gestacional

  • Sede excessiva (Polidipsia) e idas constantes ao banheiro para urinar (Poliúria). Isso acontece porque os rins não conseguem reabsorver toda a glicose filtrada. Ela, então, é eliminada junto a uma grande quantidade de água, deixando a urina límpida e clara.
  • Falta de energia. A sensação de cansaço constante pode estar relacionada ao diabetes gestacional. Isso ocorre porque a doença faz com que a glicose do sangue não vá para as células na quantidade adequada, o que causa falta de energia para o corpo realizar as funções e atividades do dia a dia.
  • Como a glicose não pode entrar nas células, por causa dos níveis baixos de insulina no organismo, as células passam a obter energia do tecido gorduroso.
  • Visão turva. O diabetes pode atingir os vasos sanguíneos do corpo inteiro. Quando a doença está descontrolada, pode afetar também os vasos dos olhos, desenvolvendo retinopatia diabética.

Como é feito o diagnóstico?

Existem dois caminhos que a mulher deve seguir caso esteja diagnosticada com diabetes gestacional.

O primeiro é o encaminhamento para um profissional de nutrição, para o controle alimentar, de maneira que suas necessidades e a do bebê sejam supridas de forma saudável, seguindo uma dieta para a diabetes gestacional.

Outro caminho é o controle glicêmico, com um glicosímetro.

Uma leve picada na ponta do dedo se retira uma gota de sangue para análise da glicemia, que precisa estar dentro dos índices normais.

Nesse caso, a diabetes entrega efeito negativo se esses índices estiverem muito fora dos limites.

Este controle é feito em média quatro vezes ao dia, ao acordar e em jejum e após às três refeições do dia, café da manhã, almoço e jantar.

Existem valores padrões que devem ser seguidos de acordo com o tempo de gestação, diagnosticando ou não o problema.

Valores do diabetes gestacional

No primeiro trimestre: se a glicemia de jejum acusar valor menor 92 mg/dl, é considerado normal.

A recomendação é realizar o TOTG (Teste oral de tolerância à glicose) entre 24 e 28 semanas.

Mas, se os valores forem entre 92 mg/dl e 126 mg/dl, pode significar que a futura mãe tem Diabetes Mellitus Gestacional.

Por outro lado, se o valor for maior que 126 mg/dl, pode indicar diabetes prévio diagnosticado gestacional.

Todos esses exames devem ser repetidos e confirmados caso glicemia seja maior ou igual a 92 mg/dl.

No segundo trimestre, realiza teste de tolerância oral a glicose com 75g de glicose.

Esse exame deve ser realizado entre 24 e 28 semanas de idade gestacional, não precisa ser repetido.

Se um valor estiver na faixa descrita abaixo, temos o diagnóstico de Diabetes Gestacional.

  • Jejum, maior ou igual a 92 mg/dl.
  • 1 hora após, maior ou igual a 180 mg/dl.
  • 2 horas após, maior ou igual a 153 mg/d. [1]

Alimentação para diabetes gestacional

Além dos fatores genéticos que não temos o controle, podemos controlar o problema, com regras e rotinas aplicadas, por exemplo a alimentação.

O mau hábito na hora de comer é uma das causas do diabetes gestacional, principalmente se você já se encontra no grupo de risco.

Abaixo algumas dicas de alimentos para diabetes gestacional:

Se a ideia é se manter longe do diabetes gestacional ou se já está com o problema, controla-lo é a solução.
Então sua alimentação determinará o sucesso na busca dessa meta, evite alimentos ricos em gorduras, açucares, produtos industrializados com conservantes.
Alie-se aos alimentos naturais, consuma alimentos saudáveis, beba muita água e se exercite.
Procure também por alimentos magros e ricos em proteínas, tais quais:

  • Ovos e feijões (Que auxiliará na quantidade de Ferro no sangue evitando anemia),
  • peito de peru,
  • nozes,
  • sementes,
  • legumes,
  • evite carboidratos em demasia,
  • consuma peixes e frango.

Um prato colorido sempre é sinônimo de qualidade, então legumes e saladas de cor verde escuro principalmente irão te auxiliar nessa busca por qualidade de vida.

Prática de exercícios, porque é importante?

É importante porque vai te fazer se sentir bem!

Estudos mostram que a prática de exercícios físicos em grávidas com diabetes gestacional, não ocasionaram nenhum tipo de dano a mãe nem ao bebê.

Pelo contrário, diminuíram o nível de glicose no sangue, equilibrando no organismo [1].

Claro, desde que feito com responsabilidade, sem exageros, com boa hidratação, os exercícios irão te fazer bem.

Exercitar deixará você mais disposta e feliz, te ajudará na perca de peso, melhorará seu apetite, sua autoestima e sua confiança, então porque não?

Remédios para Diabetes gestacional

Caso a alimentação adequada não seja suficiente para regular os índices de glicose no diabetes gestacional, a mulher deverá passar a ministrar insulina para este controle.

Insulina. Considerando-se as evidências científicas atuais, a insulina continua como primeira escolha no tratamento medicamentoso para o controle da hiperglicemia na gestação.

Como já dito, a insulina está indicada sempre que a mudança no estilo de vida não for suficiente para atingir as metas do controle glicêmico.

Metformina. Dentre os diversos princípios ativos de agentes orais utilizados no controle glicêmico durante a gestação, a metformina e a glibenclamida são os representantes mais estudados.

A mudança de estilo de vida é um componente essencial no manejo do diabetes gestacional e pode ser suficiente para o tratamento de muitas mulheres. Quando necessário, a terapia medicamentosa deve ser associada para atingir as metas do controle glicêmico. [2]

Possíveis complicações para a mãe e o bebê

Um dos riscos do diabetes gestacional é a complicação no parto, devido ao tamanho do bebê e a Hipoglicemia neonatal.

Quando o bebê nasce e acaba toda aquela glicose que ele recebia pelo cordão o bebê pode fazer hipoglicemia.

Isso porque, ele passa a mamar somente o colostro e é comum que por estar acostumado a receber muita glicose e produzir muita insulina, tenha uma queda da glicose abrupta, pode necessitar de atendimento urgente para receber um soro glicosado.

Alguns estudos [3] já mostram que bebês nascidos de mães com diabetes gestacional, podem desenvolver doenças metabólicas como:

  • excesso de peso
  • hipertensão
  • diabetes

Fatores hemorrágicos e dificuldade na cicatrização de ferimentos podem ser decorrentes, também, do diabetes gestacional.

Como evitar o diabetes gestacional?

  1. Estabeleça uma dieta saudável e equilibrada.
  2. Faça o pré-natal e exames regulares.
  3. Entenda seus fatores de risco.
  4. Faça atividade física.
  5. Reduza os níveis de estresse.

Considerações finais do diabetes gestacional

Uma das curiosidades é que mulheres que desenvolveram diabetes gestacional, podem não continuar sendo diabéticas.

Isso acontece, porque com a retirada da placenta, órgão responsável pela comunicação entre a mãe e o bebê pode, algumas vezes, acabar com o problema.

O tratamento para diabetes gestacional não é nada evasivo, somente requer atitude e conscientização de não continuar com práticas antes exercidas nas quais lhe levaram a desenvolver este quadro.

Cuidar da alimentação, ficar o mais longe possível da área de risco, manter os exames periódicos em dia, são atitudes que vão exigir certa disciplina.

Contudo, fique atenta aos sintomas do diabetes gestacional.

Esta doença deve ser levada muito a sério, afinal no seu ventre existe uma vida, que depende da sua.

  1. [1] Diabetes gestacional: um algoritmo de tratamento multidisciplinar. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abem/v55n7/02.pdf
  2. [2] Portal PEBMED: https://bit.ly/39ENVbZ
  3. [3] The Prevalence Of Gestational Diabetes In Basic Health Units. Disponível em:  https://bit.ly/2w9zhe5

Emmanuel Martins: Enfermeiro - Especialista em Controle de Infecção


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.