Comportamento

Sintomas da depressão: Oito atitudes típicas de pessoas que têm depressão, mas não parecem!

sintomas da depressão: 8 comportamentos comuns de uma pessoa deprimida

Os sintomas da depressão não se limitam a tristeza e falta de vontades.

De modo geral, as pessoas acreditam conhecer os sintomas da depressão.

Mas existe, hoje, uma visão bastante equivocada da doença.

Por causa disso, a pessoa deprimida não recebe o devido diagnóstico.

O resultado é que muitos convivem com comportamentos depressivos mascarados.

A doença se mostra invisível para as pessoas que os cercam, ou mesmo para eles próprios.

Tipos de depressão

Depressão maior. É um estado em que o humor negro é exaustivo e a pessoa perde o interesse em atividades, mesmo aquelas que geralmente são prazerosas.

Transtorno depressivo persistente. Anteriormente chamado de “distimia”, esse tipo de depressão refere-se ao humor deprimido que dura pelo menos dois anos.

Transtorno bipolar. Apresentam episódios de depressão, mas também passam por períodos de energia ou atividade excepcionalmente alta.

Transtorno afetivo sazonal. Esse tipo de depressão surge à medida que os dias diminuem no outono e no inverno.

Depressão perinatal. Este tipo de depressão inclui episódios depressivos maiores e menores que ocorrem durante a gravidez ou nos primeiros 12 meses após o parto.

Depressão pré-menstrual. Este tipo de depressão é uma forma grave de síndrome pré-menstrual ou TPM.

Se você conhece alguém, ou se sente deprimido, além de tratamentos convencionais pode seguir o >> Guia combatendo a Depressão <<, uma forma saudável e natural de ajudar na solução da doença.

Inventário de Depressão de Beck

O Inventário de Depressão de Beck (“Beck Depression Inventory”; BDI) é provavelmente a medida de auto-avaliação de depressão mais amplamente usada tanto em pesquisa como em clínica.

Trata-se de uma espécie de teste de sintomas da depressão.

De acordo com um estudo publicado na Revista de Psiquiatria Clínica  [1], esse inventário tem sido traduzido para vários idiomas e validado em diferentes países.

Assim, a escala original consiste em 21 itens, incluindo sintomas da depressão profunda e atitudes, cuja intensidade varia de 0 a 3 e os itens se referem a:

  1. tristeza,
  2. pessimismo,



  3. sensação de fracasso,
  4. falta de satisfação,
  5. sensação de culpa,
  6. sensação de punição,
  7. autodepreciação,
  8. auto-acusações,
  9. ideias suicidas,
  10. crises de choro,
  11. irritabilidade,
  12. retração social,
  13. indecisão,
  14. distorção da imagem corporal,
  15. inibição para o trabalho,
  16. distúrbio do sono,
  17. fadiga,
  18. perda de apetite,
  19. perda de peso,
  20. preocupação somática,
  21. diminuição de libido.

Contudo, há outros sinais que não parecem ser de depressão.

Ao deixar de receber o diagnóstico adequado, o depressivo tenderá a lidar com seus problemas de modo a esconder a depressão, e terá dificuldades para reconhecer os verdadeiros sintomas da doença.

Quais os sintomas da depressão que não parecem ser o que é

1- Uma pessoa depressiva talvez “não pareça deprimida”

Na visão do senso comum da doença, a pessoa deprimida raramente sai de seu quarto, veste-se com desleixo, e parece estar sempre triste.

Porém, nem todos que sofrem de depressão têm o mesmo comportamento.

Claro que os indivíduos são diferentes, assim como variam os sintomas da depressão. Ao mesmo tempo, a capacidade de cada um de lidar com a doença.

Muitos conseguem exibir um “verniz” de boa saúde mental, como mecanismo de autoproteção.

Contudo, o fato de serem capazes de fazê-lo não significa que eles sofram menos.

Do mesmo modo, as pessoas incapazes de mostrar tal “verniz” não são mais “fracas” que as demais.

Se você conhece alguém, ou se sente deprimido, além de tratamentos convencionais pode seguir o >> Guia combatendo a Depressão <<, uma forma saudável e natural de ajudar na solução da doença.

2- Uma pessoa depressiva poderá ter dias ruins e dias “melhores”




É uma doença de altos e baixos. A pessoa com depressão mascarada sofre flutuações de humor aleatórias.

Muitas vezes não há razões para as alterações de humor, mas esta é simplesmente a maneira como a depressão se manifesta em algumas pessoas.

A pessoa pode acordar bem e feliz, passar uma semana se sentindo “curada” e de repente sofrer um derrame de emoções negativas.

O maior erro das pessoas que convivem com alguém depressivo é julgar que em um dia “bom” a pessoa está plenamente recuperada, ou forçá-lo a retomar rapidamente a rotina normal poderá sobrecarregá-lo, e piorar sintomas da depressão.

3- Uma pessoa depressiva talvez se recuse a fazer coisas que gostava muito

Uma atípica falta de interesse em participar de atividades durante um longo período de tempo, pode ser um dos sintomas da depressão.

Esta doença drena a energia do indivíduo tanto no plano físico quanto no mental.

Isso afeta totalmente a sua capacidade de sentir prazer com as atividades cotidianas.

Uma pessoa com depressão talvez não se sinta mais atraído por atividades que adorava no passado.

Os sintomas da depressão acabam dificultando o desfrute de tais atividades, que não a satisfazem mais como antes.

4- Uma pessoa depressiva pode não corresponder ao afeto

Muitas vezes, o depressivo não sente nada, então vive as emoções de modo limitado, ou passageiro.

Depende de cada caso, mas muitos relatam um sentimento parecido com o “torpor”.

Assim, o mais próximo que chegam de uma emoção é uma espécie de tristeza, ou irritação.

Desta forma, a pessoa tem dificuldade para corresponder de modo adequado a gestos ou palavras afetuosas.

Ou, então,  nem se dá ao trabalho de manifestar qualquer reação. Talvez demonstre uma irritação nada racional.

É possível que o cérebro dele tenha dificuldades para processar e corresponder ao seu afeto e carinho.

Se você conhece alguém, ou se sente deprimido, além de tratamentos convencionais pode seguir o >> Guia combatendo a Depressão <<, uma forma saudável e natural de ajudar na solução da doença.

5- Uma pessoa depressiva pode apresentar quadros repentinos de irritação

É muito comum que a pessoa deprimida fique mais irritadiça. Muitas vezes isso não é interpretado como um sintoma da doença.

Aliás, isso é compreensível, já que a depressão não é problema de saúde “visível”.

A depressão tampouco pode ser medida com precisão, o que dificulta o combate à doença.

Além disso, o esforço constante exigido do indivíduo para lidar, ao mesmo tempo, com as inúmeras demandas de sua vida cotidiana, deixando-o impaciente e incapaz de ter a compreensão exata sobre as coisas.

6- Uma pessoa depressiva pode estar sempre exausta se queixando de cansaço

Um efeito colateral da depressão é um cansaço permanente.

Embora este sintoma não se manifeste em todos que sofrem de depressão, ele é muito comum.

Em geral, é um dos piores efeitos colaterais desta doença.

Mesmo que a pessoa durma um número suficiente de horas à noite, talvez acorde na manhã seguinte como se tivesse dormido pouco.

Pior que isso: talvez ela culpe a si mesmo.

Ela pode atribuir isso à preguiça ou que algum defeito de sua personalidade esteja causando esta sensação de fraqueza e falta de energia.

7- A pessoa piora os sintomas da depressão ao se sentir pressionado

Naturalmente, as funções vitais de uma pessoa deprimida não podem ser as mesmas de alguém com boa saúde mental.

Haverá coisas que ele não será mais capaz de fazer com a mesma frequência, ou abandonará de vez.

Perturbá-lo ou fazer com que ele se envergonhe por causa disso só tende a causar mágoas, em vez de ajudar.

Se a depressão é um assunto que ele tem tido dificuldade de abordar, será igualmente difícil para ele lidar com alguém que fique irritado diante de sua incapacidade de agir do mesmo modo que uma pessoa mentalmente sadia.

Se você conhece alguém, ou se sente deprimido, além de tratamentos convencionais pode seguir o >> Guia combatendo a Depressão <<, uma forma saudável e natural de ajudar na solução da doença.

8- Uma pessoa depressiva tem hábitos alimentares incomuns

A pessoa depressiva desenvolve hábitos alimentares incomuns.

Isso, decerto, ocorre por duas razões: como um modo de lidar com a doença, ou como um efeito colateral da ausência do cuidado consigo mesmo.

Comer pouco ou em demasia é um sinal comum de depressão.

A ingestão excessiva de alimentos é vista como vergonhosa.

Assim, neste caso a comida talvez seja a principal fonte de prazer da pessoa com depressão, o que a faz comer além do necessário.

Quando o depressivo come pouco, em geral, é porque a doença está afetando seu apetite, transformando o ato de comer em algo desagradável.

Isso também pode ser uma necessidade, subconsciente de controlar algo, já que ele não é capaz de controlar sua depressão.

Como saber se estou com depressão?

Notar a depressão em si mesmo não é tão simples como parece.

Sempre há uma sensação de tristeza, mas a consciência de que aquilo pode ser sintoma da depressão, não é fácil.

Normalmente, segundo especialistas,  você mesmo pode perceber se seguir a seguinte lista:

  • Você pode ter aquela sensação que é tudo indiferente, tanto faz ou tanto fez, nada tem importância;
  • Você sentirá um aperto no peito, sensação ruim sem motivo aparente ou causa identificada;
  • Você pode começar a acreditar que talvez fosse melhor não estar no mundo, que seria melhor não viver;
  • Você poderá ter sofrimento antecipado, prevendo que algo ruim pode acontecer, mas não sabe explicar o porquê;
  • Perda do sono ou muita sonolência;
  • Você pode perceber que perdeu o interesse de fazer coisas que antes eram muito satisfatórias para você;
  • Você perde a paciência com facilidade e fica irritado com coisas muito pequenas;
  • Você pode ter pensamentos pessimistas, ou seja, não consegue pensar em nada de bom ou enxergar o lado bom das coisas, tudo está ruim;
  • Dores que não possuem causas físicas (dores de cabeça, de estômago, cólicas, problemas na pele);
  • Por fim, compulsão (seja alimentar, de fazer compras, de falar demais, etc.).

Se você conhece alguém, ou se sente deprimido, além de tratamentos convencionais pode seguir o >> Guia combatendo a Depressão <<, uma forma saudável e natural de ajudar na solução da doença.

Sintomas da depressão pós-parto

Os sintomas de depressão pós-parto, geralmente, se desenvolvem nas primeiras semanas após a chegada do bebê.

Contudo, podem começar mais cedo — durante a gravidez — ou mais tarde — até um ano após o nascimento.

Os sinais e sintomas de depressão pós-parto podem incluir, por exemplo:

  • Humor deprimido ou alterações de humor severas
  • Choro excessivo
  • Dificuldade de se relacionar com seu bebê
  • Isolamento da família e amigos
  • Perda de apetite ou comer muito mais do que o habitual
  • Incapacidade de dormir (insônia) ou dormir demais
  • Fadiga constante ou perda de energia
  • Redução de interesse e prazer em atividades que você costumava aproveitar
  • Irritabilidade intensa e raiva
  • Sensação constante de que não é uma boa mãe
  • Desespero
  • Sentimentos de inutilidade, vergonha, culpa ou inadequação
  • Diminuição da capacidade de pensar com clareza, concentrar-se ou tomar decisões
  • Ansiedade grave e ataques de pânico
  • Pensamentos de prejudicar a si mesmo ou ao seu bebê
  • Por fim, pensamentos recorrentes de morte ou suicídio

Infográfico em português: sinais de depressão na adolescência

infografico depressao na adolescencia

Copie o código e compartilhe essa imagem em seu site

Artigo médico-científico: Revista de Psiquiatria Clínica  [1]

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Entrar

Deixe uma Resposta

Topo