Animais

O que aconteceria se todos os gatos do mundo desaparecessem? Qual seria o impacto para o planeta?

O que aconteceria se todos os gatos do mundo desaparecessem

O que aconteceria se todos os gatos do mundo desaparecessem? Qual seria o impacto para o planeta?
Esse texto foi útil para você?

Viver em um mundo sem gatos seria horrível. Não somente pela privação da convivência com seres tão incríveis e cativantes, mas também pelo desequilíbrio que isso nos traria. A tragédia não seria pouca. Especialistas garantem que se se todos os gatos do mundo morressem de repente, as coisas iriam ficar bem complicadas para nós. Mas, o que aconteceria se todos os gatos do mundo desaparecessem?

De acordo com o com Alan Beck, professor de medicina veterinária e diretor do Center for the Human-Animal Bond at Purdue University, o instinto predador dos gatos nos faria muita falta. Ele diz que gatos são predadores especializados com comportamentos de caça adaptáveis. Isto é, eles não dependem de nossa comida, ou do nosso lixo, para sobreviver. Ao mesmo tempo que caçam pequenos animais, podem sobreviver quando a presa é escassa e reproduzem quando há comida.

Assim, é por isso que sentiríamos tanta falta deles. Talvez, na sua casa isso não aconteça, mas em diversos lugares os gatos são vitais para manter pragas de celeiros e armazéns (roedores) sob controle. Em outras palavras, é possível que sem os gatos, os humanos teriam menos comida.




Leia também: Grave doença fúngica que ataca principalmente gat0s e seres humanos está descontrolada e a vigilância sanitária já fala em epidemia no Rio de Janeiro

Qual a proporção da tragédia?

Embora você não imagine isso, vários estudos já traçaram um cenário para o desaparecimento dos gatos. Um estudo de 1997, feito na Grã-Bretanha, descobriu que o gato doméstico comum levava para casa mais de 11 animais mortos durante seis meses. Isso significa que os 9 milhões de gatos da Grã-Bretanha estavam matando coletivamente cerca de 200 milhões de espécimes selvagens por ano. Isso, sem contar os animais que não ofereciam aos seus donos.

Fica claro que na ausência completa dos gatos, a população de roedores dispararia. Isso, obviamente, provocaria uma cascata de efeitos ecológicos. Um estudo na Nova Zelândia, realizado quando os gatos foram quase totalmente erradicados, mostrou que os ratos quadruplicaram. Os ratos passaram a se alimentar dos ovos de aves marinhas da costa. Com isso, a população de aves caiu drasticamente.



Outro exemplo aconteceu na Ilha Macquarie, pertencente a Austrália. Em 2000 os gatos foram inteiramente erradicados dessa ilha. Depois disso, o número de coelhos aumentou de maneira drástica no ecossistema do local. Com isso, o primeiro impacto foi uma devastação completa das plantas do local. Além das espécies perdidas, toda a paisagem mudou e muitas plantações e vegetação nativa foram dizimadas.  O governo da ilha teve que gastar 24 milhões de dólares para tentar remediar a situação.

Em suma, os gatos não fariam falta somente nos lares. É bem verdade que há vários estudos que comprovam que ter um gato é bom para a saúde física e mental do ser humano. Mas, para o ecossistema em si, seria uma verdadeira catástrofe.

Leia também: Mesmo com muita fome, os gat0s deixam a ração na beirada da vasilha e, provavelmente, a culpa é sua

mnn


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


O Diário de Biologia é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre de assuntos relacionados a Biologia, Saúde e Pesquisa. O material fornecido na categoria saúde, nutrição e bem-estar, não deve ser usado como conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.
Topo