Medicamentos

Melhor anticoncepcional: Diferença entre os tipos de pílulas e injetáveis mais usados no Brasil e escolha a sua

Qual melhor anticoncepcional? Veja as diferenças entre as pílulas mais usadas no Brasil

O melhor anticoncepcional para mim, pode não ser o melhor para você. Isso porque, cada mulher tem uma característica fisiológica.

Por isso, não caia nessa que a melhor pílula para sua amiga, vai ser a melhor para você também.

Quando iniciamos nossa vida sexual a primeira coisa que pensamos é na melhor forma de evitar a gravidez indesejada. É claro que a forma mais fácil de fazer isso é com o uso da pílula anticoncepcional.

Relacionamos aqui, as principais diferenças entre os tipos de pílulas mais usadas no Brasil.

Antes de tudo, é bom frisar que a melhor forma de escolher seu anticoncepcional é com o seu ginecologista.

Ele já conhece seu histórico de saúde íntima e as condições do seu aparelho reprodutor.

Mas, muitas mulheres não buscam essa ajuda e este texto pode ajuda-las.

Pílula combinada e simples, qual a diferença?

A primeira coisa a se saber é que existem dois tipos de pílulas anticoncepcionais: A combinada e a simples.

A diferença é fácil.

A combinada é formada por duas substâncias hormonais distintas que geralmente reduzem o fluxo menstrual e as cólicas.

As pílulas simples, no entanto, são aquelas cuja fórmula contém apenas um hormônio, normalmente proveniente da progesterona, o que gera menos efeitos colaterais.

Vamos ver então as marcas de mais usadas no Brasil.

Assim, você mesmo, juntamente com seu médico poderão escolher o melhor anticoncepcional.

Qual é a melhor pílula anticoncepcional?

1. Allestra

O anticoncepcional Allestra [bula] é um dos mais usados pelas brasileiras.

Tanto a versão 20 ou 30 são pílulas combinadas.

O Allestra 20 ou o Allestra 30 indica a dosagem de hormônio que cada cartela possui.

Neste caso, é necessária uma ajuda o seu ginecologista para definir qual é a melhor escolha para você.

Ela combina etinilestradiol, um derivado sintético do estrogênio, e gestodeno, semelhante à progesterona.

O legal desse é que ele contém 21 comprimidos por cartela e pode ser usado com uma pausa de 7 dias ou tomado de forma contínua impedindo que a menstruação aconteça.

Com custo médio de R$ 20, está entre os populares mais queridos por um benefício simples: poucas mulheres engordam tomando este medicamento.

Além disso, cada caixinha vem com três cartelas, tornando o item mais barato ainda!

2. Cerazette

Por não ser um anticoncepcional combinado, é indicado para casos em que há risco de trombose, como histórico da doença na família e tabagismo.

Assim, o Cerazette [bula] pode ser o melhor anticoncepcional, se você tiver nesse grupo.

Ele tem na fórmula, a saber, apenas o desogestrel, um tipo de progesterona.

Sua cartela contém 28 comprimidos de uso contínuo, que impedem que a mulher menstrue.

Seu uso pode provocar acne, mas, ele diminui o risco de trombose.

Ao mesmo tempo, pode ser utilizado por mulheres que não toleram os estrogênios ou que estejam amamentando.

Agora, uma desvantagem é que pode ocorrer sangramento vaginal com intervalos irregulares durante o uso, assim como pode não ocorrer nenhum sangramento.

É. contudo, um pouco mais caro, sendo uma cartela, por mês, custa em torno de 40 reais.

3. Ciclo 21

É uma pílula combinada com 0,15 miligramas de levonorgestrel e 0,03 de etinilestradiol.

Além de prevenir gravidez, é recomendada para regular o ciclo menstrual.

O que mais atrai no Ciclo 21 [bula] é o preço que não passa de 5 reais por cartela.

Talvez por isso, seja um dos mais usados por jovens.

Como o próprio nome sugere, tem 21 comprimidos e requer sete dias de pausa entre cada cartela.

Este, segundo a bula é um dos melhores anticoncepcionais para acne. 

Mas, atenção: de acordo com alguns estudos, o Ciclo 21 está na lista negra dos anticoncepcionais que aumentam o risco de trombose cerebral.

4. Selene e Diane 35

Colocamos estes dois juntos pelo fato de que são absolutamente a mesma fórmula, só que de laboratórios diferentes.

São pílulas combinadas com 0,035 miligramas de etinilestradiol, uma espécie de estrogênio, e ciproterona, semelhante à progesterona.

O Selene [bula] e o Diane 35 [bula] estão entre os preferidos das mulheres e talvez seja o melhor anticoncepcional para você.

Isso porque, ele tem ação contra hormônios androgênicos.

Isso quer dizer que trata problemas causados pelo excesso de hormônios masculinos, como o acne, pilosidade excessiva (hirsutismo), oleosidade da pele e cabelo, seborreia e queda de cabelo.

Além disso, são altamente recomendados para o tratamento de Síndrome dos Ovários Policísticos.

Com isso, se você trem esse problema, este pode ser o melhor anticoncepcional.

Apesar de seu poder contraceptivo, tanto o Selene como o Diane 35 são pílulas prescritas para pessoas que tem SOP ou problemas com hormônios masculinos.

Se você não tem tais problemas, não é recomendado seu uso apenas como contraceptivo, pois ambas têm maior risco de trombose.

5. Tâmisa 20 ou 30

É uma pílula combinada.

Além de 0,075 miligramas de gestodeno, o Tamisa 20 conta com 0,02 de etinilestradiol e o Tamisa [bula] 30 contém 0,03 do mesmo hormônio, sendo que a quantidade deve ser escolhida com orientação do seu médico.

O que acontece aqui, é que quando a dose hormonal é muito baixa, algumas mulheres apresentam sangramento, por isso precisam trocar o Tâmisa 20 pelo Tâmisa 30.

Os contraceptivos combinados reduzem a duração e a intensidade do sangramento menstrual, diminuindo o risco de anemia por deficiência de ferro.

Além disso, a cólica menstrual também pode se tornar menos intensa ou desaparecer completamente.

Para quem está querendo se livrar de acne, saiba que este é um dos mais recomendados por dermatologistas para esse tratamento, pois ele tem alto poder de reduzir a oleosidade da pele.

6. Siblima

O Siblima [bula] tem exatamente a mesma fórmula do Tâmisa.

No entanto, a sua dosagem hormonal é baixíssima.

Contém 0,060 miligramas de gestodeno e 0,015 de etinilestradiol e é composta por 24 comprimidos com a pausa entre cada cartela é de 4 dias.

Por causa da sua baixa dosagem hormonal.

Assim, este não é o melhor anticoncepcional para mulheres “esquecidas”.

Contudo, a recomendação do fabricante é  que nos esquecimentos maiores de 12 horas, a proteção é reduzida.

Então, é preciso ingerir o comprimido esquecido e manter os outros no horário habitual, porém é essencial aliar um método de barreira para evitar a gravidez pelos próximos 7 dias.

7. Yasmin

É um dos anticoncepcionais mais indicados pelos ginecologistas, traz inúmeros benefícios as suas consumidoras e possui poucos efeitos colaterais.

É uma pílula combinada com levonorgestrel e etinilestradiol.

Também é um dos mais recomendados para mulheres jovens.

Acredita-se que em mulheres com menos de 30 anos, ele possui menos chances de apresentar efeitos colaterais. Por isso, se você tem menos que 30 anos, este pode ser o melhor anticoncepcional para você.

Mas, atenção: de acordo com alguns estudos, o Yasmin [bula] está na lista negra dos anticoncepcionais que aumentam o risco de trombose venosa cerebral.

Um artigo publicado na revista Clinical Hemorheology and Microcirculation [1]   estudou somente o Yasmim  e os resultados indicam que esta pílula pode não ser tão segura como se pensava.

Converse com seu médico!

 8. Yaz

Junto com o Yasmin, é um também um dos anticoncepcionais mais indicados pelos ginecologistas, sobretudo para mulheres jovens.

Embora o Yaz tenha seus preços considerados elevados (30 reais), os benefícios que ele carrega acabam valendo a pena, sendo consumido as vezes apenas para melhoras na pele.

Altamente recomendado para mulheres com Síndrome dos Ovários Policísticos, ele também promete diminuir o inchaço, um efeito colateral de alguns anticoncepcionais do mercado.

Conta com 24 comprimidos que precedem uma pausa de 4 dias.

Mas, atenção: Assim como o Yasmin,  Yaz está na lista negra dos anticoncepcionais que aumentam o risco de trombose venosa cerebral.

Outro artigo, Canadian Medical Association [2],  concluiu que o uso de contraceptivos orais contendo drospirenona está realmente associado a um aumento do risco de trombose venosa profunda e embolia pulmonar.

Converse com seu médico!

9. Microvlar

Por causa do seu baixo valor, este é o anticoncepcional mais vendido no Brasil (6-7 reais).

Possui 0,15 miligramas de levonorgestrel e 0,03 de etinilestradiol.

Seus 21 comprimidos ajudam a evitar a gravidez, mas ele controla com eficácia o fluxo menstrual abundante.

Dessa forma, o seu ponto negativo é que pode provocar a retenção de líquidos, resultando em aumento de peso.

Assim, mulher que tem essa tendência a reter líquidos , o Microvlar [bula] não é o melhor anticoncepcional.

Qual melhor anticoncepcional injetável?

1. Depo Provera

O Depo Provera [bula] é um dos anticoncepcionais injetáveis mais receitado pelos ginecologistas.

Sua fórmula contém  150 mg de acetato de medroxiprogesterona.

Trata-se de um anticoncepcional injetável de ação prolongada, que deve ser administrado em intervalos de 12 a 13 semanas, sendo no máximo a cada 13 semanas (91 dias).

Sua eficácia contraceptiva (o,3%)  é comparada com a mesma dos implantes subdérmicos ou da laqueadura tubárea.

Afinal, sua ação evita a maturação do folículo e a ovulação e, causa espessamento do muco cervical que inibe a entrada de esperma no útero.

Ao mesmo tempo, diz-se diminuir os sintomas da TPM, cistos no ovário, cólicas e gravidez ectópica.

O preço varia entre R$ 28,62 a R$ 46,35 por injeção que dura 13 semanas (3 meses).

2. Noregyna 

O Noregyna [bula] é um dos mais populares quando se diz respeito aos anticoncepcionais injetáveis.

Além de evitar a gravidez, muitos ginecologistas prescrevem esse injetável para controle de cefaleia menstrual, bem como, para amenização das cólicas.

O efeito produzido no endométrio é similar ao observado com o uso de contraceptivos orais combinados, acima citados.

A sua aplicação é feita mensalmente e a mulher fica sem menstruar. É possível ocorrer escapes, contudo, não é preciso se preocupar.

A primeira injeção deve ser administrada no primeiro dia do ciclo menstrual (primeiro dia de sangramento).

A segunda injeção, assim como as injeções posteriores devem ser administradas, independentemente do padrão do ciclo, em intervalos de 30 ± 3 dias, isto é, no mínimo 27 e no máximo 33 dias.

O preço varia entre R$ 22,00 a R$ 29,08 por injeção .

Conclusão

Em suma, a escolha do melhor anticoncepcional para você, não necessariamente é o mesmo para outra pessoa.

É preciso levar em conta o histórico da mulher, suas tendências a retenção de líquido, bem como a idade.

Cada organismo reage de um jeito com os diferentes tipos de anticoncepcionais.

Por isso, o indicado é consultar um especialista antes de fazer a sua escolha.

Artigo médico-científico: Canadian Medical Association [2], Clinical Hemorheology and Microcirculation [1]

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Topo