Gosta de filme de terror? A deformação bizarra neste sapo é culpa de um parasita gerador de mutantes


Nada de radiação ou algo parecido. Sim, um parasita é o causador desta deformidade bizarra nos membros deste sapinho. O parasita, conhecido como Ribeiroia, é um trematode, um tipo de verme parasita obrigatório de molusco. O bicho tem uma intrigante estratégia para completar seu ciclo de vida atingindo seus três hospedeiros obrigatórios: Caramujo -> Sapo -> Ave.

A vida do Ribeiroia se inicia dentro de um caracol, quando ele castra o molusco, para que não “perca tempo” atrás de acasalamento. Depois de se reproduzir dentro do caracol. A larvas têm vida livre e nadam até os girinos cuidando para se instalar exatamente na região onde se originará, futuramente, as pernas do sapo. Com a presença do parasita, durante a metamorfose de girino -> sapo, há um desiquilíbrio que provoca uma mutação nos genes, gerando pernas extras ou atrofia das pernas.


Por que isso? Simples: de acordo com um grupo de pesquisadores da Universidade do Colorado (EUA), causando essa deficiência nos sapos, eles perdem a mobilidade e ficam mais lentos, assim, podem ser facilmente devorados por aves, o próximo hospedeiro, em que o parasita consegue se reproduzir e dar continuidade ao ciclo (os ovos do Ribeiroia são eliminados através das fezes do pássaro, que contaminam caracóis).

Bizarro, assustador, mas deslumbrante! Ah! Só para constar, o Ribeiroia é inofensivo para os humanos e qualquer outro mamífero.

hypescience

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.