O beijo na boca transmite mesmo cárie?


Sim, a cárie é uma doença que pode ser transmitida de uma pessoa para outra através da saliva. Pois se trata de uma doença infectocontagiosa causada por bactérias, e a mais comum entre elas, é a Streptococcus mutans. Então, ao contrário do que muitos acreditam, os doces não são os principais vilões dessa história, apesar de fazerem parte dela.

As cáries se formam a partir de placas bacterianas que desfrutam das partículas que sobram da última refeição, liberando subprodutos, dentre eles, um tipo de ácido que corrói os dentes, formando uma perfuração inicialmente clara, mas que pode escurecer com o tempo e pode provocar dores, inchaço e até a perda dos dentes. No entanto, mesmo havendo o contato, como um beijo, por exemplo, de uma pessoa que possua cárie com outra que não a tenha, o microrganismo só irá proliferar se houver um ambiente propício. Se a higiene e  saúde bucal da outra pessoa estiver precária, além de uma dieta rica em açúcares que diminui o fluxo salivar, as chances de transmitir a doença são maiores.

O primeiro contato com as bactérias que causam a cárie, dá-se até os três anos de idade, e geralmente é transmitida por familiares que de alguma forma colocam a sua saliva em contato com a saliva da criança. Como por exemplo, beijar na boca da criança, esfriar a papinha antes de dar à criança, compartilhar talheres (sim, pode transmitir cárie!).

Então, há  possibilidade do beijo transmitir a cárie ocorre pelo simples fato das pessoas estarem trocando bactérias enquanto se beijam. Mas é claro, a probabilidade de transmissão entre adultos é menor do que entre adultos e crianças. Porque o adulto já tem uma comunidade bacteriana definida, enquanto as crianças não.


Deve-se ter muito cuidado ao sair beijando um e outro em festas, por exemplo, pois além do beijo poder transmitir a cárie, ele pode transmitir outras doenças contagiosas como herpes, candidíase, doença periodontal, sífilis, entre outras.  Para evitar ter cáries deve haver algumas mudanças de hábitos, tais como, escovar os dentes, passar o fio dental sempre após as refeições, ter bons hábitos alimentares, não compartilhar escova de dentes, além de fazer consultas preventivas ao dentista.

 


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.