Medicamentos

Álcool e antibiótico: Essa mistura oferece mesmo perigo?

Alcool e antibiótico

Álcool e antibiótico pode ser uma mistura perigosa. 

Afinal, muitos médicos recomendam evitar o álcool enquanto tomam vários tipos de medicamentos, com o antibiótico não seria diferente.


Contudo, a maior preocupação é o risco de efeitos colaterais inseguros, e não com a diminuição da eficiência da medicação.

Discutiremos, então, a segurança da mistura de álcool e antibióticos . 

Você descobrirá que existem antibióticos “amigáveis”com bebidas alcoólicas e, ao mesmo tempo conhecerá alguns que nunca devem sem consumidos associado a álcool.

Interações entre álcool e antibióticos

O álcool não torna os antibióticos menos eficazes, mas o consumo de álcool – especialmente se você bebe demais – pode aumentar as chances de sentir efeitos colaterais.

Como já dito, existem alguns antibióticos que nunca devem estar juntos com álcool e combina-los pode causar uma reação potencialmente perigosa. Podemos citar, por exemplo:

  • cefotetan [não vendido no Brasil]
  • doxiciclina [bula]
  • eritromicina [bula]
  • metronidazol [bula]
  • isoniazida [bula]
  • linezolida [bula]

Metronidazol, tinidazol, cefotetan

Existem pessoas que já sabem: misturar esses antibióticos com álcool pode ser potencialmente perigoso.

Contudo, isso não é um mito, sobretudo quanto ao metronidazol.

Sendo assim, não se pode beber álcool antes, durante ou até 3 dias depois de tomar esses medicamentos.


Caso contrário, os efeitos colaterais são severos, dentre eles, podemos citar, por exemplo:

  • náusea e vômito
  • calor e vermelhidão facial
  • dor de cabeça
  • pulsação rápida
  • e, ao mesmo tempo, dores de estômago

Além disso, a mistura de álcool e antibióticos acima citados, pode causar efeitos colaterais mais graves, como queda súbita da pressão arterial, ritmo cardíaco acelerado e, por fim, danos no fígado.

Isoniazida e linezolida

Estes dois antibióticos não são muito conhecidos, por serem usados quase sempre no tratamento de tuberculose, impedindo a síntese da parede celular das micobactérias.

Mas, trata-se de outra importante restrição quanto ao álcool. Dessa forma, beber álcool com esses medicamentos pode causar efeitos colaterais como:

  • severos danos no fígado
  • pressão alta, mesmo pessoas que não tem hipertensão

Doxiciclina e eritromicina

Poucos antibióticos podem perder o efeito se ingerimos álcool enquanto estiver em tratamento.

No entanto, a Doxicilna e a Eritromicina têm redução do princípio ativo.

Assim, tomar álcool e antibiótico, neste caso pode tornar estes menos eficazes.

Outros antibióticos

Com exceção da Eritromicina e do Metronidazol, os antibióticos que podem sofrer efeitos em presença de álcool são pouco conhecidos.

Mas, a maioria dos antibióticos mais comuns, como a amoxicilina, azitromicina, ciprofloxacina, levofloxacina, penicilina, ceftriaxona e outros, não têm contraindicação formal ao consumo de álcool em pequenas doses, mas não significa que a associação seja totalmente segura. 

Há também, pessoas alérgicas, como alergia a penicilina, por exemplo.

  • Cefalexina: O álcool não reduz a eficácia da cefalexina. As informações da bula não indicam que o álcool tire a eficácia deste medicamento. Pode haver, no entanto, um aumento nos efeitos colaterais comuns da cefalexina.
  • Azitromicina: O álcool não parece reduzir a eficácia da azitromicina.  Uma publicação da revista Alcoholism [1] descobriu que o álcool não impede a azitromicina de tratar a infecção bacteriana.
  • Amoxicilina: A bula do medicamento não indica qualquer problema de ingestão de alcool e amoxilina. Assim, uma latinha de cerveja durante o tratamento não influencia nos efeitos colaterais, tampouco na eficácia do remédio.
  • Ciprofloxacino [bula]: Segundo a bula deste antibiótico, o álcool e antibiótico ciprofloxacino podem afetar a habilidade do paciente. Assim, devido a reações no sistema nervoso, dirigir veículos ou operar máquinas, por exemplo, não é recomendado.

Efeitos do álcool na cicatrização de infecções

Geralmente, beber álcool não impede que o antibiótico trabalhe para tratar a infecção.

Ainda assim, pode interferir na melhora da infecção de outras formas.

Descansar o suficiente e comer uma dieta nutritiva ajuda a se recuperar de doenças ou infecções.

Contudo, bebidas alcoólicas podem interferir nesses fatores.

Ao mesmo tempo, o álcool também pode impedir que o corpo absorva nutrientes vitais.

Dessa forma, pode aumentar os níveis de açúcar no sangue e reduzir os níveis de energia.

São pequenos fatores que podem reduzir a capacidade do corpo de se curar de uma infecção.

Ao mesmo tempo, o consumo de álcool por si só, é prejudicial, independentemente de você tomar ou não uma medicação.

Tenha em mente que o álcool não se limita apenas à cerveja, vinho, licor e bebidas mistas. Isso porque, o etanol também existe em alguns enxaguantes bucais e medicamentos para resfriado.

A dica então, é verificar os rótulos dos ingredientes destes e de outros produtos.

Ao mesmo tempo, os médicos geralmente prescrevem antibióticos por um curto período de tempo.

Em muitos casos, porém, você só precisa tomar antibióticos por uma semana ou duas para se recuperar totalmente de uma infecção.

Assim, não custa nada evitar a interação álcool e antibiótico.


Artigo médico-científico: Alcoholism [1]

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Topo