Mulher

Antibióticos realmente tiram o efeito dos anticoncepcionais?

Antibiótico tira efeito do anticoncepcional? Posso ficar grávida?

Antibióticos realmente tiram o efeito dos anticoncepcionais?
5 (100%) 2 votes

Em 1960, foi lançada no mercado a primeira pílula anticoncepcional do mercado. A pílula, que se chamava Enovid-R foi extremamente importante. Foi ela que caracterizou um marco para a Revolução Sexual, pois representava a total independência da mulher. Elas se tornavam donas de seu corpo e podiam escolher com total liberdade quando queriam engravidar. Apesar da grande novidade, as primeiras pílulas possuíam altas doses de estrogênio, e com isso causavam efeito colaterais indesejáveis, como aumento de peso e distúrbios vasculares como tromboses. Mas, hoje, será que medicamento como o antibiótico tira efeito do anticoncepcional? A mulher pode ficar grávida?

Atualmente existem vários tipos de anticoncepcionais, como os injetáveis, que podem ser mensais ou trimestrais, adesivos transdérmicos, pílulas de progesterona, anel vaginal, implante subdérmico, minipílulas, DIU, SIU, e claro as pílulas orais, estas as mais utilizadas pelo mundo, tendo a maior variedade de dosagens e composições, possuindo eficácia de 99%.

Leia também: Melhor anticoncepcional para emagrecer ou para não engordar, baseado em estudos científicos




Apesar das chances de falha (<1%) serem baixíssimas, ela ainda existe, e alguns fatores aumentam as causas de uma gravidez indesejada, como por exemplo o esquecimento de tomar a pílula, vômitos, diarreia e o uso juntamente de outros medicamentos que podem interferir na ação do anticoncepcional. Se tomada juntamente com antibióticos, o anticoncepcional pode não fazer efeito, tornando a mulher desprotegida contra uma gravidez não planejada. Em 1971, foi feito o primeiro estudo em relação a ação dos antibióticos em anticoncepcionais e desde então, têm sido estudados por diversos pesquisadores.

Antibiótico tira efeito do anticoncepcional? Posso ficar grávida?

A pílula, que se chamava Enovid-R foi extremamente importante, e caracterizou como um marco para a Revolução Sexual, pois representava a total independência da mulher, que assim se tornavam donas de seu corpo e podiam escolher com total liberdade quando queriam engravidar. Foto: Reprodução/tinyrul



Antibiótico interfere ou não?

Os antibióticos podem interferir no efeito contraceptivo do anticoncepcional, sim. E, então, por consequência, a mulher pode ficar grávida. Os hormônios da pílula são absorvidos pelo trato gastrointestinal, e assim caem na corrente sanguínea, indo parar no fígado. Lá, 50% do estrogênio são transformados em outros compostos sem atividade anticoncepcional. Esses compostos se misturam à bile e, portanto, são lançados novamente no trato gastrintestinal. Uma parte deles é eliminada nas fezes e a outra sofre a ação de enzimas produzidas pelas bactérias que vivem no intestino.

O produto dessa reação enzimática é o estrogênio ativo, que pode então ser reabsorvido, aumentando o nível do hormônio circulante no sangue. Ele garante, assim,  o efeito contraceptivo. Os antibióticos (também chamados de antimicrobianos) destroem as bactérias intestinais. Em consequência disso não ocorrem as reações enzimáticas que liberam estrogênio ativo, e assim seu nível diminui no sangue. Essa seria uma explicação para a perda da ação dos contraceptivos orais quando ingeridos juntamente com antibióticos.

Anticonvulsivantes e antidepressivos também podem comprometer a ação dos anticoncepcionais, assim como corticoides e antifúngicos. Assim é extremamente importante consultar seu médico, e informar que você utiliza anticoncepcional, e se for necessário a utilização destes outros medicamentos que interferem na ação da pílula, previna-se com outros métodos contraceptivos, pelo menos enquanto durar o tratamento.



Leia também: Depois de quantos dias tomando anticoncepcional posso ter relação sem risco de engravidar?

 

Revista Eletrônica Estácio Saúde, MdeMulher.abril

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


O Diário de Biologia é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre de assuntos relacionados a Biologia, Saúde e Pesquisa. O material fornecido na categoria saúde, nutrição e bem-estar, não deve ser usado como conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.
Topo