Animais

Os senhores das trevas: conheça as adaptações e veja imagens sensacionais dos peixes abissais

As criaturas abissais são seres realmente incríveis. Vivem em até 4000 metros, onde não há sol e a temperatura média é de 2 graus, não há alimento e a reprodução é difícil. As formas de vida são peculiares, as adaptações são assustadoras. Pelas dificuldades em encontrar alimento, algumas especies possuem boca e estômago capazes de engolir e digerir presas com o dobro do seu tamanho. É impressionante como conseguem sobreviver a esmagadoras pressões. Afinal, a 2000 metros, a pressão da água pode arrebentar um cilindro de mergulho. As adaptações são incríveis, muitos desses peixes desenvolveram sistemas orgânicos destinados a iluminar as trevas para atrair suas presas: possuem luzes no próprio corpo, que acendem e apagam como lanternas quando necessário. Nas profundezas não existem cardumes, em algumas espécies, ao encontrar a fêmea, os machos se fundem ao corpo da companheira, transformando-se em um depósito de espermatozoides e nada mais.

Alguns peixes da família dos ceratióides, chamados pelos americanos lanterneye fishes (peixes-de-olho-de-lanterna) possuem embaixo do olho uma cavidade que abriga bactérias bioluminescentes. Durante o dia, esses peixes mergulham a grandes profundidades. A noite, ausente a luz solar, sobem à superfície para se alimentar de plâncton, microorganismos que vivem em suspensão na água. O Kryptophanaron, que vive nas águas do Caribe, tem sob os olhos uma cavidade que emite luz e que fica coberta por um tipo de persiana escura quando não deseja ser visto. Outras espécies, Anomalops e Photoblepharon, têm uma forma de haste com um farol na ponta, que projetam para a frente e para trás da cabeça e também escondem embaixo do olho.




dragonfish

Uma espécie de peixe-dragão, ‘Pachystomias microdon’ , que pode ver e emitem luz vermelha extrema usando órgãos, chamado photophores, abaixo dos olhos.

O Pachystomias, um peixe predatório chamado peixe-dragão (dragon fish), faz jus ao nome. Não solta fogo, é claro, mas tem uma série de células fosforescentes espalhadas na boca, ao longo do corpo e debaixo do olho. Eles possuem o que os especialistas chamam barbilhão, um fio que sai por baixo da mandíbula do peixe, com um farol na ponta. O Chauliodus (peixe-víbora), tem uma haste que é uma extensão dos primeiros raios da nadadeira dorsal e também luzes dentro da boca para atrair a presa direto ao estômago. Os olhos tubulares do Asgyropelecas, assim como do Stentoptyx, do Gigantura e ainda do Stylephora, sempre voltados para cima, enxergam contra a luz que vem da superfície a silhueta de seus inimigos e da refeição em potencial. O Asgyropelecus paciftecus emite luz verde e azul na mesma intensidade da iluminação procedente da superfície; portanto tornam-se invisíveis.



Peixe víbora do Pacífico 'Chauliodus macouni'. Foto de Danté Fenolio

Peixe víbora do Pacífico ‘Chauliodus macouni’. Foto de Danté Fenolio

E quem pensa que nunca vai encontrar uma criatura dessas, saiba que muitos desses peixes se dirigem à noite à superfície para apanhar plânctons, filtrando grandes quantidades de água através da boca e das brânquias. Outros, carnívoros, desenvolveram dentes avantajados, boca articulada e enorme estômago para o seu pequeno tamanho, finos e compridos, não crescem mais de 30 centímetro. Os peixes do gênero Saccopharynx, parecidos com serpentes, têm a cabeça grande e uma boca que abre e fecha como uma tampa de lixo para engolir a presa. Há pequenos tubarões com grandes dentes embaixo da boca e pequenos em cima. São capazes de morder presas muito maiores do que eles próprios, arrancar um naco de carne do tamanho de metade de uma laranja e fugir deixando no lugar a marca feroz de sua boca. Nas profundezas do oceano, comer não é fácil nem frequente; desse modo, a satisfação dessa necessidade depende muito do que sobra da produtividade da vida na superfície. A falta de alimento obriga os peixes a serem particularmente vorazes a qualquer momento: eles desconhecem a saciedade.



Chauliodus (peixe-víbora): possui “luzes” dentro da boca para atrair a presa direto ao estômago.

Chiasmodon: Possui boca e estômago capazes de engolir e digerir presas com o dobro do seu tamanho.

Linophryne arborifera

Linophryne  inica

Melanocetus sp.

 Melanocetus  johnsonii

 Pachystomias (peixe dragão): Tem uma série de células fosforescentes espalhadas na boca, ao longo do corpo e debaixo do olho.

 Saccopharynx: Parecidos com serpentes, têm a cabeça grande e uma boca que abre e fecha como uma tampa de lixo para engolir a presa.

FONTE: Abissal – Por Marcos A. de Sousa

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


12 comentários

12 Comments

  1. Hanah Ceres

    em

    Muito show! E ainda não vimos nada… mal começamos a explorar o fundo do mar.

  2. OMG, esses bichos não podem ser da Terra! kkk’
    Ótimo blog! o/

  3. Juan

    em

    mto interessante sobre essas lindas criaturas marinhas, até pq grande parte dos oceanos são um mistério, mto legal

  4. Imaginei as tempestades do mar na antiguidade, onde certamente pelas forças no oceano alguns desse viam a superfície “Imaginei o que os pescadores ou os exploradores pensavam que eram (0.o)”

  5. aliny

    em

    Amei, o site e a postagem, fique com mó dó desses peixinhos. Que nunca podem se satisfazer de comida. Muito legal a idéia e ire divugar seu site na coluna de dicas do meu blog, que é pra adolescentes e seria legal aprenderem de forma divertida.

    Muito obrigada.

    Atenciosamente

    Aliny Gomes, mais informações http://www.facebook.com/garotacristapagefan

  6. William Theis

    em

    ótimo post sobre o assunto adorei ler, fico esperando ansioso para mais assuntos relacionados a animais raros e diferentes!

  7. Clauton

    em

    incrível o quanto a vida se adapta aos ambientes para gerar criaturas admiraveis!

  8. Carol Moraes

    em

    Meu Deus! ‘0’ haha
    Parecem uns metaleiros com as pontinhas!
    O outro ali parece feito de barro…
    Um nasceu mato na cabeça dele;
    e outro parece um coador de café… ‘-‘
    Bah (imaginação e criatividade minha)
    ^ ^,

    • Rafael

      em

      kkkkkkkkkkkkk parecem mesmo, eu só ñ entendo pq eles tem q ser tão feios.

  9. carlos

    em

    muito bom mesmo ei vc fas um otmo trabalho dve estar orgulhosa !eu estou e nem te conheço

  10. Abraão

    em

    Nossa, muito da hora! Incrível! Adoro animais, principalmente quando se trata de algo não muito natural.

  11. Daniel

    em

    Fico olhando as curiosidades aqui no “Diário de Biologia” e viajo por vários lugares. Parabéns pela riqueza nas informações!!

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo