Mulher

O que é cervicite: veja as causas mais comuns, sintomas e tratamentos

Cervicite: quais as causas mais comuns, sintomas e tratamentos

Cervicite é uma inflamação do cérvix que, por sua vez, é a parte mais estreita do colo do útero.

Também chamada de endocervicite, ela pode ser provocada através de contato sexual (e doenças sexualmente transmissíveis) ou por que a região fica mais sensível, por causa do uso contínuo de alguns produtos químicos.




O que causa cervicite?

As causas mais importantes e comuns da cervicite são as DSTs (doenças sexualmente transmissíveis) como a gonorreia, por exemplo.

Mas, além das doenças sexualmente transmissíveis, tricomonas, vaginoses, herpes e bactérias como a Micoplasma genitallium e Streotococcus, também são agentes causadores desse quadro de infecção na região pélvica.

Quais são os tipos de cervicite?

Essa inflamação existe em dois tipos conhecidos como:

Cervicite crônica

Conhecida como cervicite crônica erosiva, é quando a inflamação é resultado do uso de produtos químicos e alergênicos como preservativos, cremes vaginais, diafragma, absorvente internos perfumados ou até pequenos traumas na região.

É o tipo mais comum e que requer menos cuidados especiais.

Cervicite Aguda

É quando a inflamação tem origem em infecções frequentes e DSTs, que deixam a mulher mais suscetível a contrair novas infecções.

O tipo agudo também pode estar associado a bactérias, fungos e ao papilomavirus humano (HPV).

O que ocorre é que as relações sexuais permitem o crescimento de germes e bactérias que aumentam a flora vaginal, deixando a região mais fragilizada.

Por isso, precisa de acompanhamento médico mais cuidadoso.

A inflamação crônica é a mais comum e de fácil tratamento.

Já a versão aguda, precisa de cuidados e atenção especiais para não evoluir para problemas de saúde mais sérios, como inflamações generalizadas na pelve e até o desenvolimento de um câncer.

Quais são os sintomas da cervicite?

É comum que algumas mulheres que apresentam o quadro de cervicite, não
tenham os sintomas.



Muitas delas só diagnosticam a inflamação em consultas e exames de rotina. No entanto, a parte de mulheres que apresenta os sintomas, costuma ter:

  • Corrimento mucopurulento e de cor amarelada ou até cinzenta;
  • Sangramento vaginal depois de relação sexual;
  • Dores e desconfortos durante o ato sexual;
  • Dores e desconfortos na hora de fazer xixi;
  • Dores na região pélvica;

Quando devo ir ao médico?

Como muitas mulheres não apresentam os sintomas, o ideal é fazer seu checkup anual com o ginecologista, para manter a saúde em dia.

Mas, além disso, procure um médico ao menor sinal de dores, desconfortos ou sangramentos fora do período menstrual.

É importante buscar apoio médico, pois quanto mais rápido faz-se o diagnóstico, mais rapidamente o tratamento apresenta os efeitos desejados.




Como diagnosticar cervicite?

O diagnóstico da cervicite é feito através de exames como o papanicolau, que permite identificar e avaliar possíveis alterações no colo do útero.

Além disso, a coleta de material para análise laboratorial é bem comum.

A coleta é muito simples: o ginecologista passa um cotonete pela região e envia esse material para averiguação.

Tratamento para cervicite

São dois os objetivos do tratamento para a cervicite: o primeiro é parar a infecção, impedindo que ela avance pelo sistema reprodutor da mulher (útero, ovários e trompas).

O segundo objetivo é eliminar completamente o quadro infeccioso do organismo.

O tratamento para cervicite depende da identificação do agente causador do processo infeccioso e por isso, ele só pode ser feito por um médico.

Se a causa do quadro inflamatório for uma doença sexualmente transmissível, trata-se de um caso mais relevante.

Quando esse é o agente causador do quadro, a inflamação pode ser tratada com protocolos abrangentes para gonorreia, micoplasma e a clamídia.

Nesse caso, é comum o médico solicitar que o parceiro também busque tratamento, a fim de evitar uma nova contaminação para ambos.

Um dos cuidados mais importantes durante o período de tratamento, é que o casal não tenha relações sexuais (nem qualquer tipo de contato íntimo), para evitar novos processos contagiosos.

Já quando a causa da cervicite é um trauma qualquer na região, ou o uso continuado de produtos químicos, talvez nem seja necessário fazer uso de medicamentos de qualquer classe.

O que também só pode ser determinado por um profissional.

O fato é que, sendo crônica ou aguda e com a causa diagnosticada, o seu médico pode prescrever remédios, tais como:

Antibióticos – quando o tratamento requer o uso de antibióticos, os medicamentos mais utilizados são ciprofloxacino, ceftriaxona e eritromicina. Isso porque contam com propriedades capazes de tratar infecções por bactéria;

Antifúngicos – se a infecção for causada por fungos como a Candida, os medicamentos geralmente recomendados são cetoconazol e fluconazol. É normal tratar infecção por fungos combinando pomadas e medicamentos orais.

Antivirais – se a infecção teve origem no vírus da herpes, por exemplo, os medicamentos antivirais são os recomendados. Eles não curam, mas controlam a infecção.




Pomada para cervicite

A pomada para cervicite é uma pomada vaginal como Donnagel, Novaderm e Fluconazol, são ótimas aliadas do tratamento para esse diagnóstico, pois são aplicadas diretamente na região.

As pomadas agem com rapidez e eficácia no alívio dos sintomas e desconfortos da mulher.  

Uma observação importante: os portadores de HIV que desenvolvem a cervicite, são pacientes que precisam de cuidados especiais.

Isso acontece porque, esse tipo de infecção tem impacto direto na quantidade de vírus expelida pelo colo do útero.

Ou seja, isso quer dizer que uma portadora de HIV com o quadro de cervicite, tem muito mais possibilidades de contaminar o seu parceiro.

Tratamento natural para cervicite

Muito se fala em tratamentos naturais para diferentes diagnósticos.

No caso de quadros infecciosos e inflamatórios, é possível encontrar receita para quase tudo na internet.

No entanto, é fundamental ter cuidado com as suas escolhas.

Alguns tratamentos caseiros podem minimizar e aliviar sintomas, mas precisam da supervisão de um profissional de saúde, pois só eles podem atestar o estágio e o desenvolvimento da doença.

Além disso, os tratamentos caseiros devem servir como complemento aos tratamentos médicos.

No caso da cervicite, é comum encontrar dicas para fazer duchas na região genital e até terapias feitas à base de iogurte.

Elas não só não funcionam, como podem piorar o seu quadro, bem como sintomas e dores.

Dentre as possibilidades aceitas quando o assunto é tratamento caseiro, estão os banhos de assento com bicarbonato, vinagre branco e camomila.

Mas, mesmo eles, precisam vir com instrução segura e assertiva.

Portanto, procure ajuda médica.

Cervicite no homem

A mulher pode transmitir para o seu parceiro, através de sexo sem preservativo.

A cervicite no homem pode provocar inflamação da uretra, quadro que gera desconforto, dor e queimação para urinar.

Outros dois sintomas bem comuns na cervicite no homem são:

  • vermelhidão no pênis
  • sangramento no xixi
  • desconfortos e dores na região

Como evitar a cervicite?

Sempre há formas de evitar o contágio, quando o assunto são as DSTs e as consequências de sexo inseguro.

Portanto, fique atenta nas maneiras de diminuir o risco:

  • Use preservativo em todas as suas relações sexuais.
  • Tenha parceiros sexuais em quem você confia.
  • Evite, mesmo com preservativo, parceiros que apresentem feridas ou vermelhidão na região genital.
  • Evite os produtos químicos para a higiene feminina. Absorventes internos perfumados, cremes vaginais não recomendado por médicos, tampão e até preservativo com gosto ou aroma. Muitos deles podem ser responsáveis por irritações e alergias na vagina e no colo do útero;

Considerações finais

A cervicite é uma inflamação da parte mais estreita do colo do útero, o cérviz.

É de fácil tratamento e pode ser evitada com alguns cuidados, no que diz respeito à nossa atividade sexual e cuidados pessoais.

Hábitos como praticar sexo seguro e acabar com o uso de produto químicos na região genital, são fatores que reduzem os riscos de surgimento do quadro inflamatório.

A maioria dos casos não passa de dores na região e corrimento mucopurulento amarelado.

Porém, apesar de parecer simples, é fundamental realizar o tratamento até o fim.

Caso contrário, o quadro pode avançar para a cavidade e canal uterina e atingir a pelve e as trompas.

O resultado da evolução, nos cases mais graves, chega até a infertilidade feminina.

Ficar sempre atenta aos sinais do seu corpo e manter em dia as consultas médicas e cuidados pessoais, já contribuem muito para a saúde feminina.

Cervicite não é grave, mas quando não tratada, pode se tornar um enorme problema de saúde para muitas mulheres.

Cuidar da sua saúde íntima é muito importante!


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Topo