Por que temos vontade de comer doces após as refeições?


“É tiro e queda! Sempre que termino de almoçar ou jantar, sinto uma vontade louca de comer doce. E se não tiver nada serve até uma colher de açúcar. Tem alguma explicação para isso? Aproveito para parabenizar o Diário de Biologia por ter me deixado em seus posts.” Suellen Barbosa

Pois é Suellen, mesmo se tivermos acabado de comer dois pratões de uma bela feijoada a “fome de doce” é inevitável. Isso não acontece só com você. Pesquisadores garantem que a culpa é da química do nosso cérebro.

Algumas evidências indicam que comer substâncias que contém açúcar pode aumentar a doces de um aminoácido chamado triptofano, presente em alguns alimentos que ingerimos normalmente. O triptofano ajuda a aumentar nossos níveis de serotonina, substância que desempenha um importante papel no sistema nervoso, com diversas funções, como a liberação de alguns hormônios, a regulação do sono, da temperatura corporal, do apetite, do humor, da atividade motora e das funções cognitivas. Essa substância causa uma sensação de bem-estar. É por isso que buscamos sempre alguma forma de estimular a liberação de serotonina, neste caso, comer doces.

Também existe outra explicação: assim que terminamos uma refeição pesada rica em carboidratos, muitos de nós temos o que chamamos de Hipoglicemia Reativa, um estado de baixa de açúcar no sangue, consequência de uma liberação excessiva de insulina. O consumo de alimentos doces é uma forma de combater os sintomas de hipoglicemia reativa. Quando caem no sangue, os doces produzem um pico de insulina. E logo vem aquela sensação de energia e satisfação. Uma pessoa obesa e/ou diabética a resistência a insulina aumenta a vontade de ingerir doces, pois as células não recebem glicose, que fica retida no sangue, e portanto continuam “famintas”.


mulher-comendo-doce-diabetes

Nosso corpo “pede” doces após as refeições para aumentar rapidamente os níveis de serotonina!

Fonte: Live Science


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.