Sua saúde

Transfusão de fezes, você faria?

“Querida bióloga, você é um exemplo. Seu blog é o mais divertido, informante e interessante que conheço. Parabéns! Queria saber: é verdade que existe transfusão fecal (de cocô)?” Maria Cristina – Rio de Janeiro




Obrigada pelo carinho, Maria Cristina. Bom, por mais incrível e absurdo que pareça, a transfusão fecal, também conhecida como bacterioterapia fecal ou transplante fecal, existe SIM. E o procedimento é exatamente o que o nome diz: fezes de uma pessoa, é transferida para o intestino de outra.

A transfusão fecal foi criada por um médico australiano e consiste de uma aplicação das fezes alheias no intestino doente por meio de um tubo introduzido a partir do nariz. Assustador, não é? Essa terapia é usada como o tratamento de uma doença chamada colite pseudomembranosa (colite ulcerosa), causada pela bactéria Clostridium difficile. A ação do micro-organismo destrói tecidos do cólon, uma das partes do intestino grosso. Segundo alguns estudos, a taxa de sucesso gira em torno de 95% e embora sejam recomendados cinco procedimentos, a pessoa já se sente melhor após o primeiro. O objetivo da transfusão é garantir uma flora bacteriana de fezes de um doador saudável.

Clostridium-Difficile

Bactéria Clostridium difficile causadora da colite ulcerosa.

Funciona assim:

1. Mistura-se cerca de 30 g de cocô do doador a 50 ml de uma solução salina até formar um líquido fétido, mas homogêneo

2. Essa mistura é filtrada com um coador para retenção das partes sólidas que não foram diluídas

3. Com uma seringa, o médico injeta por volta de 25 ml da solução de cocô por um tubo enfiado no nariz do paciente e que se estende até o estômago

4. As bactérias presentes na solução fecal ajudam no restabelecimento da flora intestinal e na reconstituição do tecido afetado do intestino.

A colite ulcerosa causa uma  inflamação destrutiva de toda a parede do cólon e recto, de forma contínua. Inicialmente limita-se à mucosa, mas depois surgem múltiplas pequenas úlceras na parede intestinal, devido à inflamação profunda.

MUNDO ESTRANHO


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


3 comentários

3 Comments

  1. Larissa Nogueira

    em

    È de da orgulho cada vez mais quando se ver que mais estudos estão sendo feitos a favor da saude do ser humano.
    Parabéens pelo trabalho!

  2. maria manuel

    em

    Fico feliz com esta noticia tenho um filho com doença de CROWN, está bem agora .
    Ele também é Biologo.
    Obrigado
    MM

  3. alan john

    em

    karlla me fale sobre auto hemoterapia, ha risco do sangue injetado imflamar nos musculos

Você precisa estar logado para postar um comentário Entrar

Deixe uma Resposta

Topo