Anomalias e doenças

Cura para lúpus? Cientistas anunciam que estão muito próximo de uma possível cura para a doença





Lúpus Eritematoso Sistêmico, ou simplesmente lúpus, é uma doença autoimune crônica que atinge milhares de pessoas e que, até o momento, não tinha perspectiva alguma de cura… Pois é, não tinha, pois, felizmente, pesquisadores da Universidade da Flórida publicaram recentemente na revista Sciense Translational Medicine resultados de pesquisas que demonstram que a combinação de dois medicamentos conhecidos podem ajudar a descobrir uma possível cura (ou ao menos melhoria dos sintomas) para a doença. E isso é muito bom, pois o Lúpus é uma enfermidade terrível que pode atingir qualquer parte do corpo, desde a pele até os órgãos por meio das articulações. O que ocorre, simplificadamente, é que o sistema imunológico do portador de lúpus, ao invés de realizar sua função, que é proteger o organismo do indivíduo contra invasores externos, acaba por atacar os tecidos do corpo, causando uma grave inflamação. Por isso, os sintomas podem até desaparecer por algum tempo, mas depois retornam novamente.

Bem, mas como os cientistas descobriram alguma perspectiva de cura para uma doença tão grave? Um dos biomarcadores do lúpus são as células de defesa T CD4, que são glóbulos brancos que ativam outras células de defesa. Uma pessoa que possui lúpus tem uma hiperativação das células T, ativando ainda mais seu sistema imunológico, o que significa um maior dano ao indivíduo (já que as células do sistema imune destroem seus tecidos). A ativação dessas células está ligada ao metabolismo da glicose. Dessa forma, um meio de evitar essa hiperativação seria a utilização de inibidores do metabolismo da glicose, e um deles é a metformina, um medicamento comumente utilizado no tratamento da Diabetes tipo 2. Assim, junto a outro inibidor (chamado 2DG), os cientistas parecem ter encontrado em medicamentos já conhecidos a esperança para o lúpus.


236a678d06939b977fa573221941b5e8

Mas teríamos a cura nas mãos da ciência? Não! Ainda é cedo para se falar em cura. O que temos são pesquisas bem-sucedidas em ratinhos. Em humanos ainda foram realizados testes. E resultados concretos podem demorar ainda anos para serem obtidos. No entanto, essa descoberta já é animadora, pois um medicamento simples, como a metformina, poderá ser utilizado futuramente para o tratamento de pacientes com lúpus. E essa notícia também é animadora por ser a primeira vez na história que se consegue ter um efeito sobre os sintomas e a manifestação do lúpus por meio da normalização do metabolismo celular, ou seja, pela reversão da hiperativação das células T. Em outras palavras, pela primeira vez ocorreu a normalização do processo inflamatório controlando diretamente as células T CD4.

Pois é, o caminho para a cura ainda parece um pouco distante… mas não tão distante quanto antes. E se a cura não for encontrada, ao menos uma melhora para os sintomas e, consequentemente, da qualidade de vida de muitas pessoas, será obtida.

Fontes: artritereumatoide/sciencemag/healthline/biblioteca-medica/sciencemag/blogunipem  Imagens: tuasaude/ remediodaterra
Comentários

Novidades

Topo