CORONAVÍRUS: Como ocorre a transmissão e como evitar


A transmissão do coronavírus ocorre de maneira rápida e simples. Assim, todo cuidado é necessário para evitar o coronavírus.

Os coronavírus (CoVs) são uma família de vírus que causam infecções respiratórias em humanos e alguns animais.

Os morcegos são os principais hospedeiros dessa família.

Apesar do surto recente de infecções pelo coronavírus na China, esses tipos de vírus já são conhecidos desde a década de 1960.

O Coronavírus da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS-CoV) e o Coronavírus da Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS-CoV), por exemplo, são vírus pertencentes a essa família e também já causaram surtos.

No entanto, o novo vírus cuja denominação é 2019-nCoV descoberto na China no final de dezembro de 2019, tem sido apontado como o principal responsável pelas infecções humanas atuais (1).

Como acontece a transmissão do coronavírus

Você já deve ter se perguntado o que seria um vírus? Apesar de possuir um material genético composto por ácidos nucleicos (DNA ou RNA), os vírus não são seres vivos.

Isso porque são seres acelulares que necessitam de uma célula hospedeira para sobreviverem.

Assim, eles são capazes de manipular essas células e tornar o microambiente favorável à eles.

Com os coronavírus não é diferente. Por se hospedar principalmente em morcegos, únicos mamíferos voadores, a transmissão do coronavírus para os humanos é muito rápida e simples.

Outro problema é a alta diversificação de espécies de morcegos que os tornam potenciais hospedeiros de uma grande variedade de vírus, devido a vários tipos de células e receptores que possuem.

Na China e outros países do sudeste asiático, são comuns o consumo e o convívio dos humanos com os morcegos, principalmente em mercados e matadouros.

Assim, o elo da transmissão do coronavírus é atribuído ao consumo de morcegos por predadores naturais e humanos, além do contato com excreções ou objetos e substâncias contaminados que funcionam como transportadores do vírus (2).

O mecanismo da transmissão do coronavírus (2019-nCoV), no entanto, ainda é desconhecido.

Devido a rápida disseminação desse novo vírus, acredita-se que o coronavírus é transmitido pelo simples contato entre os humanos.

Como não pegar o coronavírus

Os coronavírus (CoVs) infectam os seres humanos e uma grande variedade de animais.

O vírus causa doença nos sistemas:

  • respiratório
  • entérico
  • hepático
  • neurológico com gravidade variável

O vírus da China vem assustando muita gente. Diversos casos de mortes e suspeitas são atribuídos ao coronavírus.

Uma das principais formas de evitar infecção do coronavírus, no entanto, consiste em evitar o contato e o consumo de animais silvestres e/ou doentes.

Evitar também o contato com seres humanos infectados, pois é uma potencial forma de transmissão do coronavírus.

A China, por exemplo, adotou algumas medidas para conter o surto, incluindo a quarentena de pelo menos 30 milhões de habitantes de Wuhan e cidades vizinhas.

Além disso, a China adotou políticas de incentivo para a população trabalhar em casa e evitar sair às ruas (3).

Alguns hábitos podem ser adquiridos para evitar a infecção pelo coronavírus, dentre elas:

  • Proteger a região da boca e nariz com o cotovelo sempre que espirrar ou tossir. Isso impede a propagação do vírus. O uso de máscaras nesse caso é recomendado apenas para pessoas que demonstram sintomas do coronavírus.
  • Lavar as mãos frequentemente com sabonete à base de álcool ou água e sabão para eliminar o vírus da região.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca. Esse contato pode transferir o vírus da mão contaminada para o organismo. Através das mucosas a entrada de microrganismos é muito mais fácil e rápida.
  • Manter o distanciamento social, ou seja, sempre que notar alguém próximo a você, que esteja tossindo ou espirrando, afaste-se uma certa distância. Essa medida é importante para evitar o coronavírus, pois uma simples gotícula contendo o vírus, pode ser responsável pela transmissão do coronavírus.
  • Evitar o consumo de animais crus ou mal cozidos. Principalmente o contato com resíduos ou fluidos de animais potencialmente contaminados no solo, ou nas estruturas de lojas e instalações de mercado.

Quando buscar emergência médica

Você deve procurar o atendimento médico mais próximo assim que sentir febre, tosse e dificuldades em respirar.

Estes são os primeiros sintomas do coronavírus.

Além disso, é importante informar ao médico se você viajou para alguma área na China na qual foi relatada a presença do coronavírus 2019-nCoV.

Também relatar se você esteve em contato próximo com alguém que retornou de viagem à China e que apresenta esses sintomas.

Apesar desses sintomas serem comuns nas infecções respiratórias, em geral, o histórico apontado é fundamental para o diagnóstico rápido e eficiente da doença.

E evita o desenvolvimento de uma infecção mais grave.

Felizmente, no Brasil, ainda não foi confirmado nenhum caso de transmissão do coronavírus.

 No entanto, devemos estar atentos quanto aos sintomas e acompanhar as atualizações de casos confirmados do novo vírus (4).

Diferença do coronavírus dos outros vírus

Apesar de os vírus não serem classificados como seres vivos, nos remete a curiosidade em entender como um ser que não é vivo consegue se replicar dentro de uma célula, combate o sistema protetor e ainda sobrevive longos períodos no hospedeiro.

A todo momento, as células  estão se adaptando para combater os diferentes tipos de microrganismos.

Enquanto esses microrganismos se modificam e se tornam cada vez mais resistentes.

Isso funciona como uma corrida armamentista, metaforicamente falando.

No entanto, esse é o mecanismo de sobrevivência dos vírus.

Os coronavírus são um grupo de vírus envelopados com genomas de RNA não segmentados e fita simples. Assim como qualquer vírus, só pode ser visualizado em microscopia eletrônica.

Os coronavírus são classificados em quatro gêneros:

  1. Alphacoronavirus
  2. Betacoronavirus
  3. Gammacoronavirus
  4. Deltacoronavirus

A sua capacidade de infectar várias espécies hospedeiras e causar uma variedade de doenças, o torna um patógeno altamente complexo (5).

Além disso, a facilidade de transmissão do coronavírus se deve a rápida adaptação a novos hospedeiros e nichos ecológicos.

A alta tendência à recombinação e às taxas de mutações, típicas dos vírus de RNA, também contribuem para a alta complexidade que esses vírus possuem.

Raramente, os coronavírus em animais podem infectar pessoas e depois se disseminar entre elas, como MERS-CoV e SARS-CoV.

Mas devido aos surtos de infecções causadas atualmente pelo coronavírus 2019-nCoV, é provável que isto esteja ocorrendo.

Diante dessas informações é possível observar o quão esse tipo de vírus é diferente dos outros e possui características que poderão ser estudadas e relatadas em breve pela ciência.

Considerações finais sobre transmissão do coronavírus

As atividades humanas, de certa forma, facilitam a transmissão do coronavírus.

Muitas doenças de aspectos silvestres atingem o ambiente urbano, fazendo com que humanos e outros animais domésticos se tornem hospedeiros suscetíveis ao vírus.


Como não existe ainda nenhum medicamento de cura, cabe ao ser humano adotar medidas preventivas para evitar o coronavírus e impedir que o número de casos aumente e o coronavírus se torne uma pandemia mundial.

  1. Phan, T. Novel coronavirus: From discovery to clinical diagnostics. Infection, Genetics and Evolution. Volume 79, 2020, 104211, ISSN 15671348. Disponível em > https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1567134820300435?via%3Dihub
  2. Antonio C. P. Wong, Xin Li, Susanna K. P. Lau and Patrick C. Y. Woo. Global Epidemiology of Bat Coronaviruses. Viruses2019, 11(2), 174. Disponível em > https://www.mdpi.com/1999-4915/11/2/174/htm#.
  3. Response to the emerging novel coronavirus outbreak. BMJ2020; 368. Disponível em > https://www.bmj.com/content/368/bmj.m406.long. Acesso em 04 fev. 2020.
  4. Who – World Health Organization. Novel Coronavirus (2019-nCoV) situation reports. Disponível em > https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/situation-reports/. Acesso em 04 fev. 2020.
  5. Fung TS, Liu DX. Human Coronavirus: Host-Pathogen Interaction. Annual Review of Microbiology. Vol. 73:529-557, 2019. Disponível em > https://www.annualreviews.org/doi/full/10.1146/annurev-micro-020518-115759?url_ver=Z39.88-2003&rfr_id=ori%3Arid%3Acrossref.org&rfr_dat=cr_pu

Revisão profissional: Dr. Alexandre Amato - Médico Cirurgião. CRM 108651 RTE 106628 RTE 113348.


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.