Mulher

Água de arroz clareia a pele do rosto (comprovação científica): Dermatologista ensina como fazer e como usar

Água de arroz clareia a pele do rosto: Como fazer e como usar?

Água de arroz clareia a pele do rosto (comprovação científica): Dermatologista ensina como fazer e como usar
5 (100%) 1 vote

Água de arroz tem muito mais poder do que você imagina. Todo mundo tem arroz em casa, aliás o arroz é o produto base da alimentação brasileira. Por isso, é bom estar por dentro de suas utilidades fora da cozinha. Além de diversos outros benefícios, a “água de arroz” tem uma importante propriedade de clareamento da pele. Assim, com apenas uma pequena porção de arroz, é possível, com o tempo, deixar a pele livre de manchas. É comprovado cientificamente: A água de arroz clareia a pele do rosto. Mas como fazer essa água? Como usar no rosto?

De acordo com  dermatologista Dra. Christiane Gonzaga, membro das Sociedades Americana e Brasileira de Dermatologia, usar diariamente o caldo de arroz no rosto, pode mesmo abrandar manchas de espinhas e até melasmas. A médica explica que a indústria cosmética utiliza o ácido kójico para fabricar clareadores de pele. Este ácido, vem, justamente, do arroz.




Muitos estudos comprovam a eficácia

Segundo com um estudo feito pelo curso de Pós-graduação em Dermatologia Funcional [1], o ácido kójico é um agente despigmentante de origem natural, presente no grão de arroz. Portanto, atua de diferentes modos de inibição e redução interferindo na biossíntese da melanina. Além disso, não é fotossensível e também não causa alergias. A interferência do ácido kójico é por ele poder inibir a tirosinase, a enzima responsável pela produção de melanina.

Outro estudo, feito pelo curso de MBA em Estética Clínica Avançada [2] revelou que o ácido kójico é obtido por fermentação do arroz. E, conforme é citado no estudo, não apresenta característica irritativa e não é citotóxico. Com isso, pode ser usado substituto da hidroquinona, amplamente usado no tratamento de melasma.

Mais um estudo do curso de Tecnologia em Estética [3], no Paraná, revelou que o poder do ácido kójico vindo da água do arroz é potencializado pela fermentação. Ou seja, pela ação secundária dos fungos. Assim, o ácido kójico age pela quelação dos íons de cobre, e consequentemente na síntese da melanina. Além disso, induz a redução da eumelanina em células hiperpigmentadas.



Como fazer a água de arroz

Água de arroz simples: Coloque duas colheres de arroz limpo em um copo de água filtrada. A seguir, mexa a mistura, tampe e deixe descansar por 20 minutos. Depois é só coar e usar. Essa água vai turva, pois, o amido do arroz vai se transferir para a água. O ácido Kójico fica, exatamente ali, na água leitosa. Guarde na geladeira, tampado, se não for usar imediatamente. Na geladeira, a água do arroz dura até 4 dias.

Água de arroz fermentado: Como citado nos estudos acima, o ácido Kójico é extraído a partir da água de arroz fermentado. Isso quer dizer que esse processo potencializa as propriedades do ácido.  Para preparar, você só precisa deixar em uma vasilha de vidro, em temperatura ambiente. O prazo para a fermentação varia entre 24 e 48 horas – quando está mais quente, é mais rápido. Á água vai ficar literalmente azeda. É assim mesmo, isso quer dizer que o ácido kójico está no ponto.  Neste momento ela já está pronta para uso e pode ser guardada na geladeira.



Como usar no rosto

Com a pele do rosto limpa e seca encharque um pedaço de algodão na água de arroz previamente homogenizada (agitada). Passe suavemente no rosto e deixe agir por alguns minutos até que a mistura seque e seja completamente absorvida pela pele.

Artigos médico-científico: Souza-Martins et al  /  Martins & Oliveira  / Faria & Lubi

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


O Diário de Biologia é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre de assuntos relacionados a Biologia, Saúde e Pesquisa. O material fornecido na categoria saúde, nutrição e bem-estar, não deve ser usado como conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.
Topo