Costumes antigos

No século 19, o sonho de beleza das mulheres era se parecerem com um tuberculoso. As tentativas mataram muitas jovens

No século 19 o sonho de beleza das mulheres era se parecerem com um tuberculoso

No século 19, o sonho de beleza das mulheres era se parecerem com um tuberculoso. As tentativas mataram muitas jovens
5 (100%) 2 votes

Ao contrário da cultura de beleza de bronzeado de hoje, os ideais do século 19 favoreceram a pele pálida e quase branca. Um bronzeado significava que você era um trabalhador duro que trabalhava lá fora, onde uma tez pálida indicava um nível mais alto de classe. Algumas mulheres usariam um lápis azul para rastrear suas veias e tornar sua pele aparentemente mais pálida.

Em meados dos anos 1800, a tuberculose atingira níveis epidêmicos na Europa e nos Estados Unidos.  Antes do surgimento dos antibióticos, suas vítimas morriam lentamente, ficando pálidas e magras antes de morrer. Durante o processo de morte, uma febre constante deixava as bochechas e lábios rosados e a perda de peso exaltava os olhos que ficavam grandes.

 A sociedade tinha verdadeiro fascínio pela pele branca das pessoas acometidas pela doença.  Os elementos na moda passaram a destacar os sintomas da doença e imita-la fisicamente. Usavam espartilhos apertados, saias volumosas para enfatizar os resultados dos ditos espartilhos e maquiagem para aliviar a pele e os lábios e bochechas vermelhas.




A tez de um tuberculoso então era a referência de beleza da época. Nos primeiros estágios da tuberculose, os doentes vomitavam sangue constantemente. Os médicos da época diziam que vomitar sangue servia para purificar o organismo, fazer uma purga das impurezas. Segundo eles, essa era a causa de suas peles pálidas e sedosas.

10 fotos post-mortem perturbadoras (após a morte), um costume bizarro do Século 19

Imitando a doença

Os médicos passaram a aconselhar que, se mulheres saudáveis quisessem ter uma pele daquela forma precisava comer o mínimo possível. Era permito comer apenas o suficiente para se manter de pé. Segundo os médicos, para conseguir o enfraquecimento e purificação do corpo, seria necessário fazer dietas minimalistas que consistiam de pouquíssima fruta. No café da manhã, um punhado de morangos, no almoço meia laranja e para jantar um punhado de cerejas.



Difícil para o médico, vergonhoso para as mulheres: Veja como era ir ao ginecologista no Brasil do século 19

Quanto às frutas, tudo bem, mas no final da noite, elas preparariam um caldo quente com dois ingredientes poderosos: Carbonato de amoníaco e carvão em pó. Estas duas substâncias tóxicas eram obrigatórias neste regime de beleza. As mulheres teriam que espalhar a solução no rosto que seria mantida a noite toda.

Além disso, eram instruídas a ingerir uma variedade de medicamentos durante três meses para purificar o sangue. Na verdade, dava certo. Com o tempo, as mulheres ficavam fracas e doentes, com isso, a pele ficava pálida como queriam. Mas muitas morreram tentando alcançar a pele de um doente tuberculoso.



slice / smithsonianmag

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


O Diário de Biologia é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre de assuntos relacionados a Biologia, Saúde e Pesquisa. O material fornecido na categoria saúde, nutrição e bem-estar, não deve ser usado como conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.
Topo