Cientistas descobrem que substância liberada nos gases intestinais impede dano mitocondrial e pode prevenir doenças como câncer e AVC


Parece que pum pode a salvação para uma série de problemas da nossa vida. Depois de pesquisadores dizerem que soltar pum na frente do companheiro fortalece o relacionamento, um estudo conduzido por cientistas da Universidade de Exeter, revelou que o cheiro de flatulência (peido, pum) tem propriedades curativas.

O estudo concluiu que o gás Sulfeto de Hidrogênio, que é encontrado também do cheiro exalado de ovos podres e no pum humano, pode reduzir o risco de doenças como o câncer, ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais, artrite e até demência (Alzheimer).


Os resultados, que foram publicados no Journal Medicinal Chemistry Communications, revelaram que o impacto do gás Sulfeto de Hidrogênio atinge as células, diretamente nas mitocôndrias. A exposição celular ao gás parece prevenir o dano mitocondrial. Ao que parece, o sulfeto de hidrogênio produzido enquanto as bactérias vindas do alimento se decompõem no corpo, pode resultar em futuras terapias para uma variedade de doenças.

No entanto, antes de iniciar sua inalação de flatulências alheias, é bom saber que o experimento foi limitado à exposição celular em laboratório. Ou seja, a pesquisa ainda tem um caráter preliminar, mas os pesquisadores acreditam que em breve terão desenvolvido uma maneira de testar a descoberta em humanos.

time   artigo: S. Tronnaire  et. al
ATENÇÃO  Nosso novo site, especial para mulheres, já está no ar. Acesse Diário Mulher.

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.