Estudos e pesquisas

O que são essas lesões parecidas com escamas de peixe na pele das pessoas? Você simplesmente não vai acreditar no que este hospital de Fortaleza está fazendo!

Um estudo, desenvolvido por pesquisadores do Ceará, Pernambuco e Goiás trouxe um grande avanço na recuperação da pele de pessoas que sofreram queimaduras graves e o centro de Queimados do Instituto Dr. José Frota (IJF) colocou a pesquisa em prática. Mais de 50 pacientes com lesões de queimaduras já receberam um curativo biológico desenvolvido a partir da pele de um peixe de água doce, a tilápia.

Na verdade, a capacidade de cicatrização da pele de tilápia já tinha sido testada em ratos, na China, mas esta é a primeira vez que este tratamento é aplicado em pele humana. Antes de ser aplicada nas lesões, a pele do peixe passa por um tratamento por radiação que elimina qualquer microrganismo. Uma vez tratado, o tecido fica pode ser usado por dois anos e não apresenta qualquer cheiro.

De acordo com os pesquisadores, logo nas primeiras etapas do estudo, a utilização clínica da pele da tilápia mostrou-se promissora, tendo em vista as semelhanças do material com a pele humana, como grau de umidade, alta qualidade de colágeno e resistência. A técnica ainda tem um custo muito menor, uma vez que a pele de tilápia, peixe abundante nos rios de todo o Brasil, é sempre descartada.




Braço de Maria Inês 20 dias depois do acidente. Momento da retirada do curativo biológico de pele de tilápia. Parabéns aos pesquisadores envolvido neste projeto!

A primeira pessoa a receber o tratamento

Maria Inês, de 36 anos, sofreu queimaduras depois de uma explosão de gás no restaurante em que trabalhava. Seu braço e pescoço sofreram queimaduras gravíssimas que com certeza a deixariam desfigurada. O tratamento com pele de tilápia foi oferecida a ela. Depois da limpeza do local os médicos aplicaram um curativo de tilápia no braço e pescoço da moça.

Os ferimentos eram tão graves que, em algumas regiões, antes de receber a pele de peixe, foram necessários a aplicação de emplastros. Após 20 dias usando os curativos biológicos, a retirada da pele de peixe deixou a equipe médica em êxtase: maria havia passado por uma recuperação milagrosa.

Hoje, mais de 50 pacientes já passaram pelo tratamento com pele de tilápia e todos eles estão se recuperando muito bem.

 

Fontes: g1 / jn  Imagens: naoacredito

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Topo