Se tem tantos pombos por aí, por que não podemos comê-los?


“Eu vejo muitos pombos pra todo lado. Tem cidades no mundo que eles são como pragas. Por que as pessoas não comem pombos? Eles não são comestíveis?” (Yan Paulo)

 

Yan, o pombo-doméstico (Columba livia) pertence à família Columbidae e desde da antiguidade era domesticado pelo homem a fim de servi-lo. No Antigo Egito, esses animais eram utilizados como mensageiros, pois além da sua capacidade de voo, são muito resistentes e possuem um excelente sentido de direção.

São animais encontrados em todo o mundo, com exceção as regiões polares, vivendo em bandos e podem viver entre 15 e 30 anos na natureza.  Quando uma população cresce com desequilíbrio, ocorre um controle natural através de transmissão de doenças dentro da colônias.

Algumas cidades são completamente infestadas por pombos e são nestes casos,  tratados como pragas. Em muitos casos isso acontece pelo ato das pessoas alimentarem esses animais, assim, estes deixam de viver na natureza para ficarem nas cidades onde terão uma fartura de alimento e assim aumentam o índice de reprodução, acarretando na superpopulação desses animais nas áreas urbanas.

Então, se existe uma grande quantidade de pombos nas zonas urbanas, então por que não se alimentar dos mesmos? Na verdade, os pombos são comestíveis sim, mas, por serem grandes propagadores de doenças como criptococose; Histoplasmose; Salmonelose; Ornitose; Toxoplasmose; alergias; Tuberculose avícola etc., recomenda-se que apenas o animal criado em cativeiro seja usado como alimento para seres humanos. Estes, criados exclusivamente para abate, são alimentados com grãos e tratados com medicamentos que controlam suas parasitoses. Em cativeiro, estes animais desenvolvem uma carne tenra e suculenta, é vermelho-escura e firme; lembra galinha caipira ou angola.

Na Europa a caça de pombos selvagens é bastante apreciada, inclusive para serem ingeridos.


old-man-257890_640
Na verdade, os pombos são comestíveis sim, mas, por serem grandes propagadores de doenças nocivas aos seres humanos. Foto: pixabay

 

Fontes: infoescola, usp e tuasaude

Este texto é de autoria da Bióloga Nayara Castro


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.