Conheçam o peixe-lua: corpo gigante, cérebro minúsculo


O peixe-lua (sunfish, em inglês) pertence à ordem Tetraodontiformes é o maior peixe ósseo conhecido, chegando a atingir 3 metros, mais de quatro de altura e pesar mais de duas toneladas, ou seja, pode ser um peixe gigantesco, mas cérebro é do tamanho de uma noz, chegando no máximo a 4 gramas.

É um peixe relativamente raro e curioso, o corpo tem forma circular e não possui barbatanas caudais, durante natação mantém sincronizadas as barbatanas dorsal e anal, resultando em um movimento muito diferente dos outros peixes. Apesar de ser um peixe grande, tem uma boca muito pequena e por isso se alimenta apenas de pequenos crustáceos, medusas e plancton. Por causa do seu tamanho e da sua pele áspera e coreácea, tem fama de ser a criatura que mais carrega parasitas pelo corpo. Especialistas já identificaram cerca de 50 espécies diferentes de endo e ectoparasitas em um único exemplar.

O peixe-lua habita as zonas temperadas e quentes dos Oceanos Atlântico e Pacífico. Por causa da sua natureza delicada e aos movimentos lentos, estes peixes são facilmente capturados por redes à deriva e por outros métodos de pesca. Como consequência as populações poderão estar diminuindo a cada dia.


FONTE: Oceanário de Lisboa

 


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.