Como a anestesia age no nosso corpo?


“Acompanho seu blog a pouco tempo e gosto muito dele! Aqui vai minha dúvida:como funciona um anestésico no corpo humano?” – Gabriel Bertolini

“Como a anestesia do dentista age? Sei lá… parece que fica duro no lugar.” Stephania Maria

Gabriel e Stephania, vejam bem: nossos nervos são como fios que temos espalhados pelo corpo. Quando sentimos dor, é sinal que algo está errado em alguma parte do corpo. E esse sinal segue da parte dolorida (dente com cárie, ferida, etc…) até o cérebro viajando por nervos. Os neurônios em seqüência são as células encarregas de formar nossos nervos.

Dentro no neurônio é eletricamente negativo e o ambiente em volta dele é positivo. Quando ferimos uma parte do corpo, o neurônio mais próximo do local abre na sua membrana os chamados canais de sódio, que permitem a entrada de íons de sódio. Como esses íons são positivos, o interior da célula vai perdendo seu estado negativo. Para voltar ao normal, o neurônio abre seus canais de potássio para a saída de íons de potássio (positivos) da célula. Essa seqüência de entra-e-sai vira uma reação em cadeia, que vai passando de um neurônio para outro até chegar ao cérebro. Lá, essa seqüência de alterações na carga dos neurônios é “traduzida” como um sinal de dor.


Quando usamos anestésicos, como no dentista, eles interrompem o mecanismo de transmissão do sinal da dor. O dentista aplica o anestésico na região onde o dente problemático está. Esses anestésicos, tem, geralmente, substâncias como a lidocaína e a bupivacaína, que reagem quimicamente com os neurônios da região machucada, impedindo a abertura dos canais de sódio, impedindo assim, que a sensação de dor seja transmita até o cérebro.

Como-Acabar-Com-Medo-De-Anestesia
Na verdade a região anestesiada não fica “dura” como parece. Essa sensação é devido a falta de sensibilidade no local.

—————————————————–


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.