Por que as cobras têm a língua bifurcada?


“Eu sempre tive curiosidade de saber porque as cobras tem a língua dividida. Existe explicação para isso?” Janster V. Passos

Sim, Janster, existe uma explicação biológica para a morfologia da língua da cobra. Que a língua da cobra é bifurcada muita gente sabe, mas o que as pessoas desconhecessem é que as cobras são animais completamente surdos. Isso mesmo, elas não podem detectar nenhum som pelo ar como nós podemos. E isso passou a ser um problema para esses animais, pois como são predadores precisam caçar e sem ouvir fica tudo mais complicado.

A língua bifurcada veio com a evolução desses animais para ajudá-los a procurar o caminho até o alimento podendo detectar vibrações no solo não só com língua, mas também com sensores espalhados pelo corpo. Para encontrar e capturar sua presa, as serpentes utilizam sua língua bifurcada que serve como um dispositivo de rastreamento. A bifurcação é proposital para aumentar o seu campo de alcance.

Tirando a língua várias vezes da boca, ela espera sentir literalmente o “gosto” do ar e do solo. A língua bifurcada detecta substâncias químicas, odores e aromas do ambiente que são processados para a interpretação. Acredita-se que uma serpente encontra sua presa apenas sentindo seu cheiro, podendo seguir suas pegadas apenas provando o ar e o solo com sua língua bifurcada.


filepicker-Us2MM5PT9aiAgi4cU8wm_Indiancobra

3692461733_469a9f17df

FONTE


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.