Filhos de relacionamentos entre primos podem trazer à tona graves doenças de família nunca manifestadas


“Em minha época de adolescente, meu primo e eu tivemos um namorico que atordoou toda família. Minha mãe até me levou ao médico para que ele me explicasse que poderíamos ter filhos “tortos e retardados”. Foi tão horrível que nunca mais ficamos. Hoje somos adultos e rimos da situação, mas a dúvida persiste: qual o problema de casamento entre primos? Eu posso ter filhos com meu primo?” Kátia Louzada

Bem lembrado, Kátia. Este é um assunto que muito se comenta, mas pouco se explica. Antes de “tentar” explicar, é bom entender quem são os indivíduos consanguíneos. Bem, são considerados consanguíneos aquelas pessoas que apresentam pelo menos um ancestral comum e que ainda podem ter herdado um gene recessivo deste mesmo ancestral. Quanto maior o grau de consanguinidade (irmãos, pais e filhos, primos de primeiro grau), maiores são as chances disto ocorrer.

Os genes recessivos são aqueles que precisam estar em dupla dose para que a característica que determinam estar presente no organismo. Por exemplo, supondo que ter olhos azuis seja um caráter recessivo, isso significa que para que o olho da criança gerada seja azul, será necessário que o gene esteja presente duas vezes em seu organismo. Assim, para o olho azul manifestar é necessário que na formação o indivíduo este gene recessivo tenha uma origem materna e uma origem paterna. O mesmo serve para algumas doenças.

♥ Existe algum exame que detecta a Síndrome de Down quando o bebê ainda está na barriga?

Algumas doenças que originam retardo mental, deformidades físicas, problemas metabólicos e são de origem genética. Geneticistas acreditam que cada um de nós possui pelo menos cinco genes recessivos que se tivessem em dupla, manifestaria uma doença genética. Para casais não aparentados as chances de que uma doença relacionada a genes recessivos aconteça em cerca de 3% dos casais. No entanto, em parentes próximos (irmãos, primos) as chances aumentam consideravelmente.


É fácil entender por que. Como nossos irmãos e primos compartilham de certa forma genes parecidos com os nossos, na união de duas pessoas com tais níveis de parentesco, as chances desses dos genes recessivos acontecerem é  muito grande.  Veja bem, se sua mãe herdou o gene recessivo dos pais, é obvio que sua tia também o herdaria e consequentemente você e seu primo também podem herdá-los, certo? Se você se casar com um primo legítimo, suas chances de manifestarem os genes recessivos para tais doenças é muito maior do que se você se casar com um não aparentado.

Essa consaguiniedade gera o que os geneticistas chamam de “homozigose por origem comum”, ou seja, os genes aconteceram em dose dupla e tiveram uma única origem (do mesmo ancestral: bisavô, avó, trataravô…). Abaixo, tentei fazer um esquema com cores que facilitará para as pessoas que não entendem de genética:

"Posso ter filhos com meu primo?" Entenda os problemas do casamento entre primos
Entenda como funciona através deste Heredograma.


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.