O que acontece no local onde um machucado está infeccionado?

Ferida infeccionada: o que acontece no machucado com infecção?

“Estou com uma ferida infeccionada. Tive um pequeno corte no meu dedo, que ficou vermelho e agora está parecendo que vai sair um monstro de dentro dele. Tá cheio de pus e doendo pra C… O que acontece com nosso corpo quando temos um machucado com infecção? Phelipe Passos

Ótima pegunta Phelipe! Pois bem, vou tentar explicar mais detalhadamente de forma simples por que o nosso corpo age assim. Vamos do início: Se, por exemplo, sofremos um corte com uma faca, as bactérias presentes na lâmina e no ambiente começam a penetrar em seu organismo (o mesmo pode ser considerado para um vírus da gripe, por exemplo) .

Dentro do nosso corpo os micro-organismos encontram um ambiente ideal para se reproduzir e, rapidamente, começam a se multiplicar. A reação do nosso organismo é imediata, a presença de um organismo estranho é um alarme geral que atrai para o local danificado um grupo especial de células do sangue – os glóbulos brancos ou leucócitos.

O processo inflamatório então se inicia. Os Basófilos e Mastócitos (que são tipos de leucócitos) liberam histamina, que aumenta a circulação sanguínea no local e assim a região fica avermelhada. Este aumento da temperatura no local ajuda a evitar a entrada de microrganismos sensíveis ao calor.

A histamina também permite que os NEUTRÓFILOS  e  MACRÓFAGOS saiam da corrente sanguínea e vão para o tecido afetado, juntamente com o plasma, causando inchaço no local. Geralmente os neutrófilos são os primeiros a chegar no local atingido, isso porque ele está em maior quantidade no sangue e são os primeiros  a  sentir a presença do inimigo. São também chamados de “Kamikases”, pois “comem” (fagocitam) o inimigo até a própria morte, ou seja explodem de tanto comer!

Veja como descobrir se sua tatuagem recente infeccionou. Aprenda diferenciar sintomas comuns pós-tatuagem

Quando os neutrófilos não conseguem “dar conta do recado”, os macrófagos (monócitos grandões) são acionados e partem para o ataque. A fagocitose é muito lenta, e por isso eles vivem mais. Na região que sofreu o corte, onde macrófagos e neutrófilos estão fagocitando o inimigo, são verdadeiros campos de batalha. Ali nossas células de defesa e os micro-organismos invasores se “engalfinham”.

A guerra entre leucócitos e agentes invasores causa toda aquela reação de dor, vermelhidão. E no final de uma batalha, acabam morrendo sobre o campo de guerra microscópico.  Assim, o pus, líquido viscoso e branco-amarelado que encontramos, por exemplo, em espinhas e furúnculos, nada mais é do que estes restos.


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.