Curiosidades

Por que os seres humanos têm uma infância tão longa em relação aos outros mamíferos?

Por que os seres humanos têm uma infância tão longa em relação aos outros mamíferos?
Esse texto foi útil para você?

“Pelo que sei somos os mamíferos que mais demoram para alcançar o desenvolvimento do corpo de um adulto. Nossos bebês demoram pelo menos 15 anos para alcançarem a maturidade sexual. Por que? Isso tem explicação biológica?” (Samara Rodrigues)

De fato, Samara, se comparados com outros mamíferos, nós somos os que mais demoram para atingir a maturidade sexual. Tendo como comparação os chimpanzés. Enquanto os seres humanos aos quatro anos de idade ainda são completamente indefesos e dependentes, os chimpanzés com a mesma idade já estão na maturidade sexual.


Cientistas da universidade americana de Harvard, do instituto alemão Max Planck de biologia evolutiva e do Síncrotron Europeu (ESRF) em Grenoble (França), publicaram um estudo no periódico “Proceedings of the National Academy of Sciences” afirmando que os Neandertais atingiam a maturidade muito antes dos humanos modernos.

Uma análise radiológica dos dentes dos Neandertais, demonstra que uma infância longa é uma característica da nossa espécie e pode ter sido uma vantagem evolutiva. “Descobrimos que a maioria das coroas dentárias dos Neandertais cresceram mais rapidamente do que os dentes dos humanos modernos, resultando em maturação dentária significativamente mais rápida”, disse a bióloga Dra. Tanya Smith, autora do estudo. Isto indica que o prolongamento da infância foi um desenvolvimento relativamente recente. “O amadurecimento lento dos humanos pode ter facilitado uma aprendizagem adicional e um conhecimento complexo, dando assim aos primeiros homo sapiens uma vantagem sobre seus parentes Neandertais“, assinalou.

Segundo o estudo liderado pelo Dr. Christopher Kuzawa, professor do Departamento de Antropologia da Universidade Northwestern, o alto consumo de energia que o cérebro exige nos primeiros anos de vida é a razão pela qual a infância dos humanos é tão prolongada em comparação com a dos outros mamíferos. Segundo os autores, as crianças humanas crescem em um ritmo lento, semelhante aos répteis. “Nossas conclusões indicam que nossos corpos não podem dar o luxo de crescer mais rápido durante a infância devido à enorme quantidade de recursos que são necessários para sustentar o desenvolvimento do cérebro humano“, afirmou Kuzawa..

Criança-brincando-com-um-macaco

Cientistas e antropólogos, ao longo de anos pesquisando, descobriram que esse aspecto está relacionado ao consumo de glicose pelo cérebro humano. Foto: Reprodução/noticiascabana

O apetite do cérebro por energia atinge o seu ápice por volta dos quatro anos de idade. O estudo diz que é com essa idade o cérebro “queima” o combustível equivalente a 66% do que é utilizado pelo resto do corpo. Apesar de ser amplamente aceito que as necessidades metabólicas do desenvolvimento do cérebro humano restringem o ritmo da evolução, esses requisitos ainda não eram conhecidos. Agora, combinando dados de tomografias por emissão de pósitrons (PET, sigla em inglês), uma análise que mede a absorção de glicose, e imagens de ressonância magnética (MRI, sigla em inglês), que medem o volume cerebral foi possível chegar a estes resultados.

Assim, os resultados obtidos demostraram que, nesta idade – entre os quatro e cinco anos de idade – a necessidade do cérebro por glicose encontra-se no máximo, interferindo no crescimento do restante do corpo. Com a glicose sendo prioritariamente consumida pelo cérebro nessa fase,  o restante do organismo desenvolve-se em um ritmo muito mais lento do que outros animais. A longa infância faz parte do processo evolutivo do ser humano, já que isso é fundamental para o processo de desenvolvimento da inteligência e outras capacidades cognitivas.

T2yeroXy0XXXXXXXXX_!!1023624380

A longa infância faz parte do processo evolutivo do ser humano, já que isso é fundamental para o processo de desenvolvimento da inteligência e outras capacidades cognitivas. Foto: Reprodução/dathangtaobao

Sites: exame.abril/ ultimosegundo
Artigos: Dental evidence for ontogenetic... & Metabolic costs and evolutionary….


Novidades

Topo