Animais

Austrália planeja infectar carpas invasoras com herpes. Entenda porque

Austrália planeja infectar carpas invasoras com herpes. Entenda porque
Esse texto foi útil para você?

As carpas sempre foram um problema para a Austrália: lançam lama nos rios onde vivem, competem por comida com a fauna nativa e desequilibram o meio onde estão. Elas geram um prejuízo estimado de 1,3 bilhão de reais por ano para o país. Não é de hoje que o governo da Austrália tenta conter esse problema: desde 1970 eles buscam a solução para isso, mas só agora encontraram uma forma ecologicamente viável: controlar as carpas com o vírus do herpes.

A ideia audaciosa é de contaminar a bacia hidrográfica de maior extensão do país, a Murray-Darling, com 3400 km de extensão. De acordo com dados do ministério da Ciência, a doença deve se espalhar e matar 95% dos animais em até 30 anos. Esse tipo de herpes vírus (cyprinid herpesvirus-3) só ataca as carpas, e não é prejudicial a outros animais e nem ao ser humano. Testes com galinhas, ratos, sapos, tartarugas e outros peixes foram feitos para verificar se há algum perigo e deram negativo, o que incentivou o início da intervenção.


Esse tipo de vírus foi desenvolvido especialmente para as carpas. Ele é capaz de atuar nos rins, guelras e escamas dos peixes e faz com que as carpas parem rapidamente de respirar. Parece ser uma intervenção cruel, mas a morte das carpas é rápida e indolor. Logo após a infecção, as carpas não apresentam sintomas, só espalham o vírus entre outros exemplares, e morrem nas últimas 24 horas.

População de carpas em região agrícola da Austrália cresceu exponencialmente

População de carpas em região agrícola da Austrália cresceu exponencialmente

O grande problema dessa intervenção é o custo: aproximadamente 40 milhões de reais, que serão utilizados principalmente para remoção dos peixes mortos. Isso é o que causa a maior preocupação: onde depositar milhares de carcaças. O governo ainda não sabe como lidar com isso, e por isso esse projeto deve ser implementado apensas em 2018.

Fonte: super.abrilbbc 
 Imagens: Reprodução/  super.abrilbbc

Comentários

Novidades

Topo