Por que os pés dos pinguins não congelam no gelo?


“Eu adoro o site e a página do Facebook do Diário de Biologia. Fico horas lendo as coisas. Mas tenho uma dúvida. Como o pinguim suporta o gelo no pé? O pé deles nunca congela?” Bianka Figueiredo


Olá Bianka. Realmente a forma como os pinguins lidam com o ambiente congelado é bastante intrigante, mas a natureza tem suas estratégias. Os pinguins são aves na qual a maior parte do corpo é acolhida por uma plumagem quentinha e impermeável. Por baixo da pele ainda vem uma camada de gordura bem farta que juntamente com a plumagem funcionam como um isolante térmico. Essa combinação é tão eficiente que se o pinguim se “descuidar” pode superaquecer em um dia ensolarado.

Assim, o pé descalço e também o bico funcionam como um radiador e evitam que estes animais “morram de calor” permitindo que o calor escape e ajudando o organismo a manter uma temperatura constante. Além disso, esse mecanismo permite que as extremidades não congelem, pois algumas artérias da perna do pinguim podem ajustar o fluxo sanguíneo em resposta à temperatura do pé, alimentando-o com sangue suficiente para mantê-lo frio, mas nunca congelado. Em resumo, os pés não congelam porque o corpo do pinguim é muito quente e o sangue que circula pelo corpo mantém o pé na temperatura ideal.

 Os pés do pinguim não congelam porque o calor do corpo mantem uma temperatura ideal!

FONTE: Life Little Mysteries


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.