Os bebês nascem com olhos azulados que depois ficam escuros. Por que?


“Tenho um bebê de seis meses que quando nasceu tinha olhos azuis como os olhos do pai, mas agora ele tá como olho castanho. Tem alguma explicação para isso?” Júlia

Júlia, a mudança da cor dos olhos tem a ver com a quantidade de melanina. A melanina é um pigmento responsável pela cor dos olhos, cabelos, pele e quanto mais escuro são essas estruturas significa que tem mais melanina.

Quando nascemos temos pouco desse pigmento depositado na nossa íris, aquela parte visível e colorida do olho. Os bebês não nascem com toda melanina que terão durante a vida, o processo de maturação continua após o nascimento. Essa pouca quantidade melanina faz parecer que os olhos do bebê são azuis. Quando a quantidade aumenta um pouco se tornam esverdeados e depois, com o passar do tempo, ficam castanhos ou pretos se essa for a cor definitiva da íris. O processo pode durar cerca de 2 anos, pois a cor dos olhos não é definida até essa idade aproximada.

286261_Papel-de-Parede-Lindo-Bebe-de-Olhos-Azuis_800x600


Assim como os pintinhos nascem amarelinhos e depois vão desenvolvendo a coloração definitiva, os bebês também passam por um processo parecido nos primeiros meses de vida.

 

FONTE


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.