Animais

Cientistas descobriram que baratas não gostam mais de açúcar e vai ser difícil se livrar delas agora

Cientistas descobriram que baratas não gostam mais de açúcar e vai ser difícil se livrar delas agora
Esse texto foi útil para você?

Um artigo publicado na Revista Chemical Senses deixou os fabricantes de armadilhas para baratas desanimados. É que, estudando a Blatella germanica, os pesquisadores do Centro de Biologia do Comportamento da Universidade da Carolina do Norte – EUA, descobriram que está ocorrendo uma mudança fisiológica nesta espécie: elas simplesmente não se sentem mais atraídas por açúcares.

Os cientistas foram longe para analisar o que estava relacionado a este comportamento e observaram os órgãos que sentem sabor das coisas das baratas. Embora elas sintam sabores por várias partes do corpo, o estudo focou as cerdas sensitivas do aparelho bucal.


Assim como os humanos, e vários outros animais, as baratas têm células nervosas que são ativadas quando tocam em um alimento e assim, podem saber se é doce, amargo, salgado. Isso é um ganho evolutivo que temos, pois serve para evitar alimentos na natureza que são venenosos.

Os cientistas ficaram bastante surpresos quando descobriram que ao tocar em açúcar a Blatella germanica as células nervosas associadas ao amargo. No entanto, eles ainda não sabem se elas sentem o gosto amargo, mas de fato, elas evitaram tocar nos alimentos açucarados oferecidos durante dos experimentos.

O fenômeno parece estar globalizado. Das 19 populações que os cientistas analisaram, em sete havia baratas que não gostavam de açúcar. “Na maioria dos casos, as mudanças genéticas, ou mutações, causam a perda de uma função”, disse Coby Schal, autor do projeto. “Neste caso, a mutação resultou numa nova função. Isto dá à barata um novo comportamento extremamente adaptativo.”

Brincando, o autor do estudo disse que agora os seres humanos terão que se esforçar um pouco mais para criarem suas armadilhas, já que, as baratas passaram a odiar coisa doces!

publico  /  artigo: Ayako Wada-Katsumata et al

Novidades

Topo