Animais

Cadelinha fofa do Rio de Janeiro adota sete filhotes de gambá

Cadelinha fofa do Rio de Janeiro adota sete filhotes de gambá
Esse texto foi útil para você?

Em alguns lugares do Brasil, sair no quintal e deparar-se com um gambá, ou saruê, como também é conhecido, não é nada incomum.  Especialmente nas regiões litorâneas, onde o que ainda resta de nossa Mata Atlântica contrasta com a paisagem urbana, não é raro que, em sua caçada noturna, algum desses animais acabe indo procurar por comida no lugar errado, na hora errada.

Foi o que aconteceu no Rio de Janeiro, na casa do tio de Stephanie Maldonado. Segundo ela, uma fêmea de gambá desavisada acabou invadindo o quintal da casa, onde havia uma cadela. Acabou sendo atacada, junto com um de seus filhotes, deixando órfão o restante da ninhada, composta de mais sete indivíduos.


A história poderia ter tido um final trágico. Poderia, mas não teve. Felizmente, ainda existem pessoas conscientes como Stephanie, que sabem que nenhum animal é insignificante no meio ambiente. Para quem não sabe, esses animais são adeptos de uma dieta onívora, o que significa que além de alimentar-se de frutos, também atuam no controle da densidade populacional de espécies que podem ser indesejáveis para os seres humanos, como insetos, vermes e anfíbios, que também fazem parte de sua alimentação. No entanto, vários desses animais são mortos todos os dias por pessoas que não compreendem ou simplesmente ignoram sua importância.

cadela-adota-gambas

Para a alegria dos filhotes que sobreviveram, Stephanie e sua família eram diferentes. Após terem recolhidos os filhotes e administrado os cuidados básicos, Stephanie preocupou-se com a temperatura corporal dos animais. Foi aí que uma outra cadela, também diferente, entrou na história.

Ao mostrar os filhotes para sua própria cadela, Pretinha, a reação desta, ao invés de atacar, foi cuidar dos filhotes como se fossem seus. Agora, Stephanie e Pretinha trabalham juntas na recuperação dos pequenos. Como Pretinha não tem leite, cabe a ela aquecer e fazer companhia aos filhotes, enquanto Stephanie os alimenta, ao mesmo tempo em que busca informações sobre o melhor lugar para onde encaminhar estes animais, que sem sombra de dúvida, não é uma ratoeira e muito menos uma lata de lixo.

Infelizmente, nem todo gambá perdido tem a mesma sorte desses pequenos e acaba indo parar em um desses destinos nada agradáveis. Fica a nossa torcida para que exemplos como o de Stephanie e Pretinha deixem de ser fatos extraordinários, e tornem-se tão comuns quanto um saruê perdido no quintal.

gambas-comendo

Fontes: poracasosuapesquisa   Imagens: Reprodução/poracaso

Comentários

Novidades

Topo