Animais

Lama tóxica de Mariana pode matar os corais de Abrolhos asfixiados, a repovoação pode demorar décadas

As previsões mais pessimistas já diziam: a lama tóxica gerada pelo rompimento da barragem da mineradora Samarco em Mariana-MG deve causar proporções devastadoras nos ecossistemas marinhos.

O maior medo dos ambientalistas é que os rejeitos de minério possam destruir um dos maiores ecossistemas do Brasil: os recifes de corais de Abrolhos. Os recifes de corais estão localizados bem mais próximos que o arquipélago de Abrolhos, e ficam a 221 quilômetros do estuário do Rio Doce. Ainda não é possível dizer se os resíduos serão levados até lá, o que depende de condições como força do mar e vento.


O banco de Abrolhos é uma das regiões com maior biodiversidade marinha do país. Por lá existem ressurgências com águas frias e ricas em nutrientes, que apresentam altas taxas de produtividade biológica.

Próximo à foz, ainda perto de Regência, no Espírito Santo, vivem muitas espécies de peixes e mamíferos marinhos. A região é considerada pelo governo federal como área prioritária de conservação. O local é o único ponto no Atlântico Sul ocidental com concentração de desovas de tartaruga-de-couro, espécie mais ameaçada de extinção no Brasil e segundo maior ponto de desova da tartaruga cabeçuda.

20151123201901

Segundo o Professor da UFES, Agnaldo Martins, “Qualquer coisa que sair dali (da foz) pode atingir os recifes de corais de Abrolhos. Se a lama chegar a eles e impedi-los de respirar, serão milhares de anos de recuperação”.

A mineradora Samarco, que foi multada em 250 milhões de reais pelo Ibama, declarou que está implementando um sistema emergencial de monitoramento ambiental e que contratou uma empresa para diagnosticar a área atingida e elaborar um plano de recuperação.

 Fontes: folha/
oglobo/marsemfim  Imagens: jornaldebrasilia/
atarde/

⚠  ATENÇÃO:  Nosso novo site, especial para mulheres, já está no ar. Acesse Diário Mulher.



Comentários

Novidades

Topo