Tortura? Vídeo e fotos mostram como treinadores chineses treinam crianças para que se tornem campeões olímpicos

Quem acompanha os jogos olímpicos sabem o quanto a equipe chinesa de ginástica se destaca sempre com medalhas. É um trabalho de preparação muito duro que exige muito dos corpos dos pequenos atletas que iniciam desde cedo sua trajetória. Quem vê não imagina o que realmente acontece par que esses resultados sejam obtidos. Dizem que as crianças são retiradas de seus pais ainda muito cedo para treinamento em ginásios especializados.

Em 1992, em Barcelona, a China alcançou 16 medalhas olímpicas. Em 2008 já foram 51 e em 2012 ficou em segundo lugar e quase alcançou os Estados Unidos. As atletas Wu Minxia e He Zi são um exemplo de que a preparação parece ser um regime de trabalho forçado. As crianças ficam confinadas em um ginásio, tendo apenas uma tarde de domingo livre para ficar com os pais e fazerem as atividades familiares. Do centro de treinamento, vão direto para os apartamentos onde dividem dormitórios com outras crianças em treinamento. Durante toda a semana não recém se quer uma visita.

“A vida dos atletas consiste em três coisas: treinar, comer e dormir”, palavras de um funcionário do local sobre as “escravas” do sucesso Olímpico Chinês.

treinamento-china-olimpiadas-1
Espantosas informações descrevem um regime de tortura e castigos físicos a que são submetidos meninos e meninas desde os 7 ou 8 anos de idade. Foto: r7
china1
Os treinadores são exigentes com as crianças que passam por rigorosos programas de treinamento. Foto: r7
treinamento-china-olimpiadas-9
Estrelas da ginástica são conhecidos por começarem em uma idade incrivelmente precoce, e este grupo de crianças não parece diferente. Como rotina, exigentes exercícios em barras, anéis e tapetes. Foto: r7
Escuelas-de-atletas-08
Vencer a qualquer custo: As crianças são colocadas em ritmo duro de exercícios. Foto: r7
wu-minxia-medalhista-de-ouro-no-trampolim-de-3-metros-1343842887673_615x470
Medalhista de ouro no trampolim de três metros nos saltos ornamentais, a chinesa Wu Minxia ficou por mais de um ano sem saber da morte da avó para não atrapalhar os treinamentos. Foto: r7

Fonte: r7