Gravidez

Sintomas de pré-eclâmpsia: o que a grávida sente e quais os riscos

sintomas de pré-eclampsia

Os sintomas de pré-eclâmpsia raramente vem antes da vigésima semana de gravidez.

A maioria dos casos ocorre após 24 a 26 semanas, e geralmente no final da gravidez.

Embora menos comum, a condição também pode se desenvolver, também, nas primeiras 6 semanas após o nascimento.

Anteriormente chamada toxemia, a pré-eclâmpsia é uma condição que as mulheres grávidas desenvolvem pressão alta.

Se não diagnosticada, a pré-eclâmpsia pode levar à eclampsia, uma condição grave que pode colocar a mãe e o bebê em risco e, em casos raros, causar a morte.

Mulheres com pré-eclâmpsia com convulsões são consideradas já com eclâmpsias.

Não há como curar a pré-eclâmpsia, exceto a entrega, e isso pode ser uma perspectiva assustadora para as gestantes.

Mesmo após o parto, os sinais e sintomas de pré-eclâmpsia podem durar de 1 a 6 semanas e às vezes até mais.

A detecção precoce da pré-eclâmpsia pode reduzir as chances de efeitos a longo prazo para a mãe e o bebê.

Qual é a diferença entre pré-eclâmpsia e eclâmpsia?

Pré-eclâmpsia e eclâmpsia são mais comuns na primeira gestação e as adolescentes grávidas e mulheres com mais de 40 anos também estão em maior risco.

 A eclâmpsia é uma das formas mais graves da pré-eclâmpsia, ou seja, é uma evolução da doença.

Quais são os sinais e sintomas de pré-eclâmpsia?

Como já dito, os sintomas de pré-eclâmpsia podem ocorrer logo após as 20 semanas de gravidez.

Contudo, o mais comum é que os sinais e sintomas geralmente ocorram após 34 semanas.

Ao mesmo tempo, mais raramente, os sinais de pré-eclâmpsia podem se desenvolver após o nascimento, provavelmente dentro de 48 horas após o parto.

Geralmente desaparece por conta própria, mas pode durar até 12 semanas após o parto.

Os sintomas mais marcantes da pré-eclâmpsia são o inchaço dos  pés, tornozelos, rosto e mãos, proteínas altas na urina e da pressão alta.

Contudo, a futura mamãe também pode sentir:




  • Rápido ganho de peso causado por um aumento significativo de fluidos corporais
  • Dor abdominal
  • Dores de cabeça severas
  • Mudança de reflexos
  • Urina reduzida ou ausência de produção de urina
  • Tontura
  • Vômitos excessivos e náusea
  • Mudanças de visão (turbidez, visão embaçada)

Sem tratamento imediato, os sintomas de pré-eclâmpsia pode levar a uma série de complicações graves, como, por exemplo:

  • Convulsões
  • Síndrome HELLP (distúrbio combinado da coagulação do fígado e do sangue)
  • Acidente vascular cerebral

Sintomas de pré-eclâmpsia no feto

O principal sintoma de pré-eclâmpsia no feto é o crescimento lento.

Essa deficiência no desenvolvimento é causada por um suprimento insuficiente de sangue através da placenta para o bebê.

O bebê, então,  recebe menos oxigênio e menos nutrientes do que deveria, e isso afeta diretamente seu desenvolvimento.

O nome dessa condição é: “restrição de crescimento intra-uterino ou fetal”.

Quem está em risco de apresentar sintomas de pré-eclâmpsia?

Os sintomas de pré-eclâmpsia são mais frequentemente observada em gestações pela primeira vez, em adolescentes grávidas e em mulheres com mais de 40 anos.

Embora seja definida como a ocorrência em mulheres nunca teve pressão alta antes, outros fatores de risco incluem:

  • Histórico de pressão alta antes da gravidez
  • Histórico de pré-eclâmpsia
  • Ter mãe ou irmã com pré-eclâmpsia
  • Histórico de obesidade
  • Gestação de gêmeos



  • Histórico de diabetes, doença renal, lúpus ou artrite reumatoide

O que causa pré-eclâmpsia na gravidez?

As causas exatas da pré-eclâmpsia e eclâmpsia não são conhecidas, embora alguns pesquisadores suspeitem que a má nutrição ou a alta gordura corporal possam ser potenciais contribuintes.

Contudo, a genética também desempenha um papel.

Além disso, o fluxo sanguíneo insuficiente para a placenta, parece estar profundamente associado.

A falta de sangue na placenta

A placenta é o órgão que liga o suprimento de sangue da mãe ao suprimento de sangue do feto.

É um órgão essencial que carrega alimentos e oxigênio da mãe para bebê.

Para apoiar o bebê em crescimento, a placenta precisa de um suprimento grande e constante de sangue da mãe.

Na pré-eclâmpsia, a placenta não recebe sangue suficiente.

Isso pode ocorrer porque a placenta não se desenvolveu adequadamente o que vai dificultar ou até interromper o suprimento de sangue entre mãe e bebê.

Sinais ou substâncias da placenta danificada afetam os vasos sanguíneos da mãe, levando a um quadro de pressão alta (hipertensão) .

Ao mesmo tempo, problemas nos rins podem fazer com que proteínas importantes que devem permanecer no sangue da mãe vazem para a urina, resultando em proteínas na urina (proteinúria).

Como a pré-eclâmpsia pode afetar o bebê e a mãe?

A pré-eclâmpsia pode impedir que a placenta receba sangue suficiente, o que pode fazer com que o bebê nasça com peso e tamanho reduzidos.

É, ao mesmo tempo, uma das principais causas de partos prematuros e as complicações que podem surgir.

Alguns especialistas culpam a pré-eclâmpsia das dificuldades de aprendizado, epilepsia, paralisia cerebral, problemas de audição e visão.

Nas futuras mães, a pré-eclâmpsia pode causar complicações raras, mas graves, que incluem:

  • Apreensão
  • Água nos pulmões
  • Insuficiência cardíaca
  • Cegueira reversível
  • Sangramento do fígado
  • Sangramento após o parto

A pré-eclâmpsia também pode fazer com que a placenta se separe repentinamente do útero, chamado de descolamento da placenta.


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Topo