Sua saúde

Zumbido no ouvido pode ser sinal de doenças graves, mas também pode ser excesso de café

Zumbido no ouvido: pode ser doenças graves, mas também pode ser excesso de café

Zumbido no ouvido pode ser sinal de doenças graves, mas também pode ser excesso de café
4.4 (88.57%) 7 votes

Sentir zumbido no ouvido, em geral, não é sinal de nada grave. Afinal, trata-se apenas de uma percepção de um som na orelha ou na cabeça que não é gerado por uma fonte sonora fora do corpo humano. Por isso, os sons do zumbido são conhecidos como sons fantasmas.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que 28 milhões de brasileiros sofrem com o zumbido no ouvido. No mundo mais 278 milhões de pessoas já conviveram com o problema. AO mesmo tempo, é comum que pessoas que sofrem de depressão e ansiedade, sofram regularmente com este zumbido no ouvido.

Um estudo publicado em 2016 na WWJMRD [1] diz que o zumbido no ouvido pode surgir associado a tontura e falta de equilíbrio. Geralmente os sons ouvidos são: Som de um apito; Barulho semelhante ao de uma cachoeira ou a uma cigarra; Chiado constante; Sensação de ouvido tapado. Veja abaixo as causas mais comuns para o surgimento desse incômodo.




Causas de zumbido no ouvido

Danos ao ouvido médio ou interno são, a saber, uma causa comum de zumbido no ouvido. Isso porque, o ouvido médio capta ondas sonoras e estimula o ouvido interno a transmitir impulsos elétricos ao cérebro. Em seguida, o cérebro aceita esses sinais e os traduz em sons, você consegue ouvi-los. Às vezes, o ouvido interno sofre danos, alterando a maneira como o cérebro processa o som.



Sons altos

A exposição a sons muito altos pode causar zumbido em algumas pessoas. Assim pessoas que trabalham com ou perto de britadeiras, motosserras ou outros equipamentos pesados ​​são mais propensos a ter zumbido no ouvido. Ao mesmo tempo, ouvir música alta através de fones de ouvido ou em um show também podem produzir sintomas temporários de zumbido.

Perda auditiva



De acordo com o otorrino Dr. Ítalo Medeiros, a causa mais importante de zumbido é a perda de audição. Mesmo leve, ela pode gerar zumbido e em 94% os pacientes reclamam desse sintoma quando estão perdendo a audição. Acomete, geralmente, idosos com idade a partir do 60 anos.

Tampão de cerume

Ou seja, excesso de sujeira (cera) no ouvido. Sem que se saiba exatamente o motivo, as glândulas de algumas pessoas produzem mais cera do que aquela que pode ser eliminada pelo processo natural. Quando a cera endurece no canal é criado um tampão que bloqueia o ouvido. Isso gera um desconforto muito grande e um dos sintomas é justamente o zumbido no ouvido. Também pode ocorrer perda de audição progressiva. Neste caso, um médico poderá ajudar a desentupir o ouvido, tirando todo esse tampão de cerume.

Uso de medicação

Alguns medicamentos também podem causar zumbido e perda auditiva. Isso, a saber, é chamado de ototoxicidade que é quando drogas podem causar danos nos ouvidos. Dentre elas podemos citar, por exemplo:

  • doses muito grandes de aspirina, ou mais de 12 doses diárias por um período prolongado
  • medicamentos diuréticos, como a bumetanida
  • drogas antimaláricas, como a cloroquina
  • antibióticos que terminam em “-micina”, como eritromicina e gentamicina, por exemplo
  • certas drogas contra o câncer, como a vincristina

Diabetes

Um alto nível de insulina também pode causar a perda de audição, por prejudicar os estímulos elétricos das vias neurais, responsáveis por enviar a informação do ouvido para o cérebro. Ter o diabetes controlado, então, é ponto chave para o zumbido no ouvido não ocorrer nesse caso.

Infecções no ouvido médio

A otite média, ocorrem quando os germes ficam presos dentro da tuba auditiva, o pequeno tubo que vai do ouvido médio até a parte posterior da garganta. Isso, a saber, normalmente acontece porque a tuba auditiva fica entupida ou obstruída por muco. Essas infecções bacterianas são mais comuns em crianças do que em adultos, devido ao tamanho e forma da tuba auditiva de uma criança. Contudo, se o zumbido no ouvido estiver sendo causado por uma otite média, você provavelmente terá outros também sintomas que podem incluir:

  • Febre
  • Dor de ouvido
  • Perda de audição
  • e, por fim, tontura e vertigem

Otosclerose

Esse problema ocorre quando há um crescimento anormal de tecido ósseo do ouvido. Especialistas estimam que 10% da população adulta em todo o mundo tenha algum sintoma de otosclerose. Nesta doença há um crescimento anormal nos ossos do ouvido causando a imobilização do estribo. O resultado é um zumbido constante no ouvido que pode levar a surdez.

Excesso de café

Por ser uma substância estimulante, a cafeína, presente no café e em chás, pode aumentar a intensidade da atividade das células auditivas. Assim, pode haver uma lesão que acaba desencadeando o zumbido.

Hipertensão

As doenças cardiovasculares, como hipertensão, por exemplo, prejudicam a irrigação dos vasos sanguíneos do ouvido. Consequentemente, não chegam nutrientes suficientes às células da região, que compensam a falta de estímulo auditivo com o zumbido. Nestas circunstâncias, o zumbido no ouvido é do tipo latejante, já que corresponde ao fluxo rítmico ou o som de “tum-tum” do batimento do coração.

Tumor cerebral

O ruído no ouvido tem como pior causa o tumor cerebral. Acontece quando o tecido tumoral afeta o nervo auditivo. Os primeiros sintomas, no entanto, são normalmente relacionados com perda de audição e barulhos no ouvido, gerando também falta de equilíbrio.

O que fazer?

É importante que se o problema persistir por 2 ou mais dias, procurar ajuda de um otorrinolaringologista. Isso porque, o zumbido pode vir em razão de um simples resfriado, como também em consequência de um tumor auditivo.

Artigo médico-científico: WWJMRD [1]

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


O Diário de Biologia é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre de assuntos relacionados a Biologia, Saúde e Pesquisa. O material fornecido na categoria saúde, nutrição e bem-estar, não deve ser usado como conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.
Topo