Comer e tomar banho imediatamente faz mal mesmo? Pode matar?

Tomar banho depois de comer, faz mal? Pode matar?

O perigo em tomar banho depois de comer depende de quatro fatores: (1) a quantidade de comida que foi ingerida, (2) se o banho é de imersão ou banho de chuveiro, (3) a temperatura da água e (4) a quantidade de exercício que será feita durante este banho. Mas será que faz mal e pode matar?

Você comeu muito? Depois de uma refeição, a circulação sanguínea aumenta na região abdominal. Isso quer dizer, que nosso sangue se dirige em grande quantidade ao sistema digestivo para auxiliar a digestão. Se comemos muito como uma feijoada caprichada, por exemplo, nosso organismo concentra mais sangue na região abdominal do que se  comermos uma saladinha. Assim, a quantidade de comida é muito importante para desencadear algum problema durante o banho.

O banho é de chuveiro ou de imersão? A situação se complica quando o banho é de imersão (banheira, praia, piscina, rio). De tal forma que, mergulhar o corpo na água vai desviar a circulação do sangue para as extremidades do corpo. Isso porque, há uma necessidade de estabilizar a temperatura corporal e irrigar os músculos que, geralmente, estão em movimento e por isso necessitam de mais sangue ali. O banho de chuveiro geralmente não oferece muitos riscos, principalmente se for um banho a temperatura ambiente, ou ligeiramente morno. Nestes casos, a água corre pelo corpo e não exige que a circulação se concentre nas extremidades, até porque, ninguém (eu acho!) fica se exercitando embaixo do chuveiro. No chuveiro, o corpo terá condições de conciliar suas funções durante a digestão.

A água está muito fria ou muito quente? Muita gente pensa que o banho de chuveiro frio após comer muito pode fazer mal, mas, não é só isso! Tomar banho de chuveiro pode se tornar perigoso após uma refeição caso a água esteja muito quente. Afinal, ao entrar em contato com água muito quente, parte desse sangue que irrigava a região abdominal, desvia para a pele. Isso acontece, porque os vasos sanguíneos superficiais se dilatam para deixar passar o calor e esfriar o organismo. Assim, parte do sangue que deveria ajudar no processo digestivo migra para a pele. Como consequência disso, o alimento permanece mais tempo no estômago e no intestino, podendo sofrer uma nociva fermentação provocada por bactérias. E quanto mais comida ingerimos, mais demorada é a digestão! Pelas mesmas razões não se aconselha o uso da sauna.

Ao mesmo tempo, uma água muito fria, também não será bom para a digestão. O frio provoca uma contração (constrição) dos vasos sanguíneos. Isso, causará a do fornecimento de sangue ao tubo digestivo, durante o processo de digestão em que ele é necessário. É por esta razão que o banho com água muito fria (como um banho de cachoeira) após uma refeição é desaconselhado.


Mas enfim, pode matar ou não?

Sem querer assustar muito, a resposta é sim, pode. Um banho quente demais ou frio demais de imersão (banheira, piscina, rio etc)  após a refeição, pode atrapalhar a digestão. Quando o sangue necessário para a digestão é desviado de lá, pode causar o que chamamos de Congestão alimentar. Esse fenômeno é exatamente o que foi explicado acima. Ou seja, há um desvio da circulação do sangue necessário para a digestão, para outras áreas do corpo. Isso pode provocar enjoos, vômito e mal-estar, já que a digestão fica mais lenta. Se estiver na água, por exemplo, pode desmaiar e até se afogar.

De qualquer maneira, deixamos claro aqui, que um bom banho de chuveiro, em temperatura ambiente ou levemente morno, após a refeição não fará mal algum. Assim, não há com  o que se preocupar, mesmo se a refeição foi um belo prato de feijoada completa.

Dr. Philip Abraham, Gastroenterologista

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.