Sua saúde

Síndrome do Edifício Doente: o prédio que você mora ou trabalha pode estar te deixando muito doente

Síndrome do Edifício Doente: o prédio que você mora te deixa doente?

Embora provavelmente você não saiba, desde 1982 – há mais de 30 anos – a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu a existência da Síndrome do Edifício Doente. A doença só foi acreditada depois da morte de 182 pessoas que se hospedaram em um hotel na Filadélfia. O edifício estava com o ar contaminado por uma bactéria – Legionella pneumophila – e, durante um bom período, pessoas que se hospedaram lá, adoeceram e morreram contaminados pela mesma bactéria.

Aliás, você reparou que, em alguns edifícios o ar parece estranho? Já entrou em algum lugar que rapidamente seu corpo reagiu com irritação nos olhos e nariz, depois dor de cabeça e cansaço? Então, esses, são alguns dos primeiros sintomas da atmosfera de um “edifício doente”.

O que é um Edifício Doente?

Na verdade, par ser considerado um edifício doente, não necessariamente a bactéria citada acima precisa estar presente. Um prédio ou casa doente, é aquela em que pelo menos 20% dos habitantes apresentem sintomas associados à permanência em seu interior. Por outro lado, o fato de se afastar por um tempo – horas, dias, ou semanas – do local resulta em uma melhora.

As causas podem ser inúmeras. Desta forma, considera-se que fontes poluentes de origem física, química ou biológica podem adoecer um edifício. Um edifício pode estar contaminado com uma série de micro-organismos que pioram sintomas de doenças como rinite e asma. É muito comum que uma pessoa com rinite entre em um local e já comece a tossir, lacrimejar e espirrar. Aliás é muito comum também a pessoa estar bem em casa e, ao chegar do trabalho já exibir sintomas.

Leia também: Você não consegue curar sua dermatite, rinite ou asma? O problema pode ser alergia ao leite de vaca

Construções novas e antigas

Os edifícios doentes não se limitam a construções antigas, como muitos pensam. Edifícios novos, projetados sem a utilização de materiais seguros, possuem altas concentrações de compostos voláteis e material particulado, provenientes dos materiais de construção e do mobiliário.

Contudo, edifícios antigos, com o envelhecimento dos equipamentos, acúmulo de poeira, bolor, umidade nas paredes, contaminantes químicos e biológicos nos sistemas de refrigeração também podem oferecer ambientes com risco à saúde. Aliás, em muitos casos, a falta de manutenção é a culpada por adoecer um edifício.

Causas da Síndrome do Edifício Doente

Contaminação química: Os produtos químicos presentes materiais usados na construção como pedras, tijolos e concreto. Ao mesmo tempo, os materiais sintéticos de revestimento, aglomerados de madeira, espumas de isolamento, solventes, tintas, vernizes. Da mesma forma, os produtos de limpeza são potenciais fontes de contaminação.

Contaminação biológica: Fatores biológicos também podem ser perigosos para a saúde dos ocupantes. São velhos conhecidos nossos: bactérias, fungos, protozoários, artrópodes, vírus e excrementos de animais em geral, adoecem muito edifícios com higiene precária. Por fim, causam doenças respiratórias, principalmente.

Contaminação física: Os fatores físicos podem adoecer um prédio. Iluminação exagerada ou fraca demais, muito barulho, temperatura alta ou baixa demais, umidade acima do permitido, podem, de fato, adoecer os ocupantes definitivamente.

Em síntese, morar e trabalhar em um edifício saudável irá garantir uma qualidade de vida e saúde muito melhor. Vale a pena fazer uma pesquisa no seu prédio e constatar se os moradores podem estar ao mesmo tempo sofrendo das mesmas doenças. É indispensável buscar uma providencia.

ecycle

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Topo