Estudos e pesquisas

Furinho no queixo: Se você tem covinha no queixo e seus pais não têm, você pode ser adotado!

Furinho ou covinha no queixo: Se você tem e seus pais não, você é adotado!

Furinho no queixo: Se você tem covinha no queixo e seus pais não têm, você pode ser adotado!
Esse texto foi útil para você?

A genética é brilhante, pelo menos na maioria das vezes. Isso porque, um furinho no queixo pode deletar uma adoção ou uma traição. Quem assistiu o episódio 2 da primeira temporada do seriado Dr. House, vai lembrar do que estou falando. Apesar de não ser totalmente impossível, é bem provável que se você tem covinha no queixo e seus pais não têm há algo errado na história. Você é adotado ou um dos seus pais não é seu pai – ou mãe – biológico.

O furinho no queixo é um erro genético que acabou expressando uma característica charmosa. Na verdade, é causada pela falha da metade inferior da mandíbula em se fundir durante o desenvolvimento fetal. É uma característica física hereditária que é observada com mais destaque nos homens do que nas mulheres.




Autossômica dominante

A covinha no queixo é uma característica determinada geneticamente e o alelo (cópia) do gene que a codifica é dominante. Ou seja, é uma característica genética autossômica (atinge tanto masculino quanto feminino) e dominante (a característica de uma criança foi herdada de um dos progenitores). Em suma, no caso do furinho no queixo, um dos seus precisam ter a característica para que você tenha. E, se você e seu companheiro (a) têm furinho no queixo, é possível que seus filhos o tenha.

Se o pai e a mãe têm furinho no queixo, o que filho TEM que ter? Não necessariamente! Se os pais tem a característica e forem homozigóticos (Aa) há uma chance aproximada de 25% do bebê nascer sem o furinho.

O furinho no queixo é determinante da paternidade? Bem, isso complicado de afirmar. A genética da covinha no queixo não é tão simples assim. Outros fatores podem influenciar a probabilidade de uma criança nascer com furinho no queixo, mesmo os pais tendo a característica. Acredita-se que traços recessivos podem pular uma ou mais gerações. Foi em 1941 que Lebow e Sawin sugeriram pela primeira vez que a fenda do queixo era um caráter genético. Esta conclusão foi baseada em dados de uma única família. Enquanto eles sugeriram que a covinha no queixo era um traço recessivo, outros estudos sugerem que a característica é dominante. Embora possa haver estudos contraditórios, o furinho no queixo é encarado como um exemplo de penetrância incompleta. Portanto, o queixo fissurado não deve ser encarado como um determinante da paternidade.



Furinho ou covinha no queixo: Se você tem e seus pais não, você é adotado!

A covinha no queixo é uma característica determinada geneticamente e o alelo (cópia) do gene que a codifica é dominante.



Leia também: Você tem essas covinhas nas costas? Então você pode ter mais facilidade de chegar ao 0rgasmo!

Penetrância incompleta

Mas se nem o pai nem a mãe têm covinha no queixo, será que algum dos filhos pode ter essa sensual característica? Sim, pode. Os geneticistas chamam essa exceção de penetrância incompleta – o mesmo genótipo não expressa o mesmo fenótipo. Ou seja, a pessoa tem o gene dominante, deveria ter nascido com covinha no queixo, mas devido a outros fatores genéticos ou não, nasceu sem a covinha. Assim, ela pode passar o gene para o filho e ele nascer com o furinho no queixo.

A penetrância incompleta pode ser devido a fatores ambientais (ambiente uterino) ou outros fatores a que o corpo da mãe é susceptível que alteram a expressão gênica. Ou então, à coexistência de genes modificadores. Tais genes afetam a expressão do gene covinha do queixo.

healthhearty / PD4

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


O Diário de Biologia é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre de assuntos relacionados a Biologia, Saúde e Pesquisa. O material fornecido na categoria saúde, nutrição e bem-estar, não deve ser usado como conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.
Topo