Alimentação

Dieta do ovo cozido: Por que você não deve fazer, principalmente os homens

Dieta do ovo cozido: Porque homem não pode fazer

O ovo é um alimento nutritivo e barato. Enquanto o mundo inteiro passou anos discutindo se ele aumenta o colesterol, pesquisadores do Wane State University, em Michigan (EUA) chegaram a conclusão que comer um ovo antes de cada refeição, diminui a fome para aquela refeição. Com isso, há uma dieta “bombando” na internet: A dieta do ovo cozido. Mas, segundo vários estudos científicos, essa dieta faz mal para os homens. Entenda porque homem não pode fazer!

O que é dieta do ovo cozido?




A ideia é usar a saciedade que o ovo dá para diminuir a fome nas refeições diárias. Assim, a dieta consiste em comer um ovo cozido (ou pochê) antes das três principais refeições – café da manhã, almoço e jantar. Assim, juntamente com uma dieta hipocalórica, a pessoa poderá seguir seu dia sem aquela agonia da fome que uma dieta de baixa calorias trás para a pessoa.

Resumindo, a dieta do ovo cozido é um plano alimentar com restrição de calorias, que utiliza a saciedade das proteínas do ovo para perder peso sem passar fome.

Por que todo mundo está fazendo?



Todo mundo está adorando essa dieta, isso porque, ela realmente parece funcionar. Segundo a nutricionista Viviane Voght, da Clínica Equilíbrio Alimentar, no Rio Grande do Sul, o ovo é fonte de proteína completa, ou seja, tem todos os aminoácidos essenciais. Ele exige uma digestão lenta, por isso tem o poder de manter a pessoa saciada por mais tempo. Isso, juntamente com uma dieta hipocalórica pode resultar sim, em perda real de peso.

Leia também: Anorgasmia: Quando o homεm não consegue ejacular ou demora muito

Mas, por que você não deve fazer?

Infelizmente, o consenso médico é que essa dieta não é segura. Diversos bons sites de saúde fitness dos Estados Unidos estão condenando essa prática. Isso porque, há comprovação científica que comer tantos ovos (21 ovos em uma semana) é muito prejudicial à saúde. Aliás, se você disser ao seu médico que irá comer tantos ovos por semana, ele irá reprovar isso.



É bem verdade que um estudo publicado na Revista científica Oxford Academic revelou que pessoas diabéticas podem comer até 12 ovos por semana sem ter aumento no nível de colesterol e aumento da glicose no sangue. Contudo, o limite seguro é para pessoas saudáveis é apenas sete ovos por semana. Acima disso, os riscos de doenças cardíacas ficam aumentados.

A situação é pior para homens. Um estudo de Harvard, os pesquisadores avaliaram as dietas de 1.294 homens que tiveram câncer de próstata em estágio inicial.  Os homens que ingeriam ovos diariamente – ou mais que 5 por semana –  há muitos anos tiveram um aumento de duas vezes no risco de progressão do câncer de próstata. Os cientistas atribuíram à colina – substância derivada de um aminoácido – presente nos ovos como a “culpada” por facilitar a inflamação da próstata.

Dieta do ovo cozido: Porque homem não pode fazer

Estudos concluem que ovo deixa o homem vulnerável ao câncer de próstata. Os cientistas atribuíram à colina – substância derivada de um aminoácido – presente nos ovos como a “culpada” por facilitar a inflamação da próstata.

Então ovo é ruim?

De jeito nenhum. O ovo é um alimento excelente. Ovos fornecem seu corpo com proteína e gordura. Eles também fornecem vitamina D, fósforo, vitamina A e duas vitaminas do complexo B que seu corpo precisa para converter alimentos em energia. Os ovos são uma fonte muito boa de riboflavina, selênio e colina. Comam ovos, mas não 21 por semana!

Leia também: Uma variação de um vegetal que você conhece bem tem o fruto “idêntico” ao ovo de galinha

mundoboaforma  / healthline / prostate /  Artigo: Nicholas Fully et al / Richman EL et al

 

 

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


O Diário de Biologia é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre de assuntos relacionados a Biologia, Saúde e Pesquisa. O material fornecido na categoria saúde, nutrição e bem-estar, não deve ser usado como conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.
Topo