Curiosidades

Estas figuras assustadoras não eram feiticeiros ou membros de seitas satânicas. Eles eram médicos!

Os assustadores médicos da Peste Negra (Peste Bulbônica)

Estas figuras assustadoras não eram feiticeiros ou membros de seitas satânicas. Eles eram médicos!
Esse texto foi útil para você?

Essas imagens sombrias assustam bastante as pessoas pelas redes sociais. Ao contrário do que muitos pensam, essas figuras não eram membros de seitas satânicas e muito menos feiticeiros do passado. Eles foram importantes médicos ou profissionais de saúde que atuaram bravamente tratando pessoas acometidas pela Peste negra ( Peste Bulbônica). Quando você poderia imaginar que por trás destas máscaras haviam médicos da Peste Negra?

Aliás, todo este aparato não foi usado somente para tratamento dos contaminados pela peste negra, apesar de terem sido desenvolvidos para tal. Na verdade, era usado para lidar com doentes afetados por qualquer moléstia infecto-contagiosas da Idade Média. Quando uma pessoa era visitada pelo médico da Peste, como eram chamados, ela estava padecendo de uma moléstia fatal. De certo, esta imagem de “corvo humano” é associada até hoje a morte ou a algo sombrio, e, de fato era.




Mas, por que essas roupas?

Por que o bico longo? A peste trouxe muitas mortes, assim, as cidades afetadas eram concebidas com muito mau cheiro. Essas máscaras   que pareciam bicos de aves cheias de ervas aromáticas que de certa forma “filtrava” o ar. Eles acreditavam na época que era o ar malcheiroso que contagiava as pessoas. Então, esse bico grande, na verdade, era um compartimento onde colocavam ervas perfumadas e medicinais que ajudariam a lidar com os ares infectos (os miasmas) que acreditavam agir no processo de contaminação. Alguns dos materiais perfumados eram âmbar, folhas de hortelã, erva-cidreira, cânfora, cravo, láudano, mirra, pétalas de rosa. Todas essas ervas perfumadas eram misturadas em palha que funciona como um filtro. Haviam dois furinhos próximos para uma pequena entrada de ar.

Leia também: 5 tratamentos médicos da Idade Média que vão deixar você apavorado para sempre!

Por que o casaco de couro? O casacão de couro preto estava integrado à máscara de bico, por meio de um capuz. Ele impedia que a pele e as roupas do médico fossem expostas a riscos contaminantes. Não era só o casaco. O conjunto de couro era também composto por luvas, botas e pela calça que estava sob o longo casaco. A costura e emendas eram impecáveis e evitavam que qualquer líquido a secreção entrasse em contato com o corpo do médico.



Por que a vareta longa? Além da máscara e da roupa de couro praticamente impenetrável, os médicos da Peste atendiam os pacientes com uma vareta longa em mãos. A vareta servia para que o doente fosse examinado de longe pelo médico. Usando a vareta, ele examinava as feridas e manchas. Usava o apetrecho para levantar os cobertores e vestimentas. Tudo para definitivamente, não tocar no doente.

Métodos de tratamento

Os médicos de peste praticavam a famosa sangria nos doentes como parte do tratamento. A sangria era uma forma de resolver quase todos os problemas de saúde da Idade Média. Os médicos cortavam a veia do braço e o sangue fluía.  Eles acreditavam que praticamente todas as doenças eram causadas por excesso de líquido no corpo. Por isso, tiravam quase metade do sangue das pessoas. Outra parte do tratamento constava de colocar rãs ou sanguessugas nas ínguas para “reequilibrar os humores” como uma rotina normal.



Esta peste teve um surto muito importante na idade média, causando a morte de quase 30% da população da Europa. A doença é causada pela bactéria Yersinia pestis, que é transmitida através das pulgas de animais roedores aos seres humanos.

 historiablog / WKP

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


O Diário de Biologia é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre de assuntos relacionados a Biologia, Saúde e Pesquisa. O material fornecido na categoria saúde, nutrição e bem-estar, não deve ser usado como conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.
Topo