Mulher

Dor na relação sexual, pode ser Dispareunia ou Vaginismo. Médicos falam tudo sobre o assunto

Dor na relação sexual, pode ser Dispareunia ou Vaginismo

Dor na relação sexual, pode ser Dispareunia ou Vaginismo. Médicos falam tudo sobre o assunto
Esse texto foi útil para você?

Os médicos apontam que a dor na relação sexual pode ser um estreitamento vaginal que ocorre, normalmente, na menopausa. Contudo, isso pode ser resolvido com o uso de géis ou tratamentos hormonais orientados pelo ginecologista. No entanto, de acordo com o Psicólogos Reinaldo Renzi e Carolina Rezende, é possível que a mulher sofra de Dispareunia ou vaginismo.

A Dispareunia é o termo que os médicos usam para expor a percepção de desconforto ou dor intensos durante e após o ato sexual. Decerto, até que o médico faça o diagnóstico exato, ele chamará a dor persistente, contínua e intensa durante o sexo de dispareunia. A mulher, precisa estar consciente, de que sentir dor durante a relação não é normal. Todo aparato genital feminino é perfeitamente adaptado para o ato. Há envolvido nesta dor, algum problema psicológico, fisiológico e até mesmo anatômico.




Dor na relação: origem psicológica

O psicanalista Sandro Silvério, alertou que a dispareunia psicogênica costuma levar muitas mulheres ao consultório. Trata-se de um dor sexual de origem psicológica e o prognóstico para esses casos é excelente. No entanto, o problema deve ser tratado por profissional ginecologista treinado em Terapia Sexual (TS) que faça uso de técnicas comportamentais para a dessenssibilização sistemática dos estímulos dolorosos.

De acordo com a Psicóloga Fátima Moura, apesar de muitas mulheres acreditarem que o problema pode ser de ordem psicológica, as dispareunias precisam ter uma atenção especial nas questões fisiológicas. Deste modo, durante o tratamento médico, é importante um acompanhamento psicológico, pois, muitos casais têm graves desentendimentos quando uma mulher sofre de alguma dispareunia.

De qualquer forma, as causas da dispareunia psicogênica são problemas como: Depressão; Ansiedade; Estresse; História de abuso sexual; Educação repressora; Crença religiosa muito rígida; Baixa autoestima; Sentimento de culpa em relação à sexualidade; Falta de desejo sexual pelo parceiro.



Leia também: Vagina ardendo: Especialistas explicam o que pode ser e o que fazer

Dor na relação: origem muscular

Em alguns casos, o problema pode estar relacionado a musculatura genital. A opinião da fisioterapeuta sexual Rita Scupino, é que afastadas as causas orgânicas e/ ou psicológicas, que devem ser avaliadas e tratadas por um ginecologista e psicólogo respectivamente, a Fisioterapia Pélvica dispõe de técnicas e recursos que podem te ajudar. Isso porque, o problema pode ter origem na estrutura muscular da pelve.



Dor na relação: origem fisiológica

Dr. Sandro Silvério, psicanalista alertou que em 60% dos casos de dispareunia em mulheres, as causas são de cunho fisiológico. Entre as causas mais comuns podemos encontrar: infecções, tumores, traumatismos (como cicatrizes cirúrgicas por exemplo), doenças pélvicas (como a endometriose e outros tumores), atrofia genital (causada pela deficiência hormonal), cistites e doenças dermatológicas (dentre essas podem se encaixar as DST). Ao mesmo tempo, segundo o Dr. Heitor Paiva, ginecologista, a dor na relação, o ressecamento vaginal e a disfunção sexual são efeitos colaterais que podem ocorrer nas mulheres que realizar a histerectomia.

Mas, e o Vaginismo?

O vaginismo costuma ser uma das principais causas de dispareunia. Trata-se de uma síndrome psicofisiológica cuja a característica fundamental é a contração involuntária, recorrente ou persistente, dos músculos interior da vagina. Assim, ocorre quando é tentada, prevista ou imaginada a penetração vaginal com pênis, ou até mesmo o dedo ou tampão. Assim, há nestes casos, uma mistura de problemas psicológicos, fisiológicos e musculares. Ou seja, é uma dispareunia que envolve três vertentes clínicas.

Leia também: Coceira vaginal acompanhada de ardência ao urinar: você pode estar com uma infecção causada por protozoário

Em relação vaginismo, a Psicóloga Lais Dourado foi bem clara: “Imagine que não existe uma divisão entre o funcionamento do seu corpo e da sua mente. Eles estão trabalhando juntos. Assim, quando se fala de um vaginismo não orgânico quer dizer que a causa é psicológica, tendo a ver com suas emoções e pensamentos. Seu corpo expressa aquilo que você sente e pensa”, disse.

A Fisioterapeuta Débora Guedes, explicou que o vaginismo é uma contração involuntária da musculatura vaginal, que precisa ser relaxada para que possa haver penetração. Nesses casos de relaxamento de musculatura e uso de eletroterapia para diminuir a sensibilidade da área, só pode ser feito pelo fisioterapeuta pélvico. Com isso,  tratamento inclui uma combinação de exercícios do assoalho pélvico, exercícios de inserção e exercícios com dilatadores vaginais.

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.

Todas as opiniões dos especialistas foram retiradas do site Doctoralia.

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


O Diário de Biologia é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre de assuntos relacionados a Biologia, Saúde e Pesquisa. O material fornecido na categoria saúde, nutrição e bem-estar, não deve ser usado como conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.
Topo