Mulher

Reconstrução do hímen: Onde fazer? Como é? Quais as complicações possíveis? Quanto custa?

Reconstrução do hímen: Onde fazer? Como é? Quanto custa?

Reconstrução do hímen: Onde fazer? Como é? Quais as complicações possíveis? Quanto custa?
5 (100%) 2 votes

O hímen é uma fina e muito sensível membrana que a maioria das mulheres têm dentro do canal vaginal. Devido a sua sensibilidade, a maioria das mulheres tem essa membrana rompida na primeira relação. Por causa disso, o hímen se tornou o “símbolo da virgindade”. Atualmente, muitas mulheres buscam consultórios para reconstrução do hímen por meio cirúrgico e por causa disso, as dúvidas são muitas: Onde fazer, quanto custa, como é a cirurgia.

O nome da cirurgia de reconstrução do hímen é Himenoplastia, também conhecida por “cirurgia de recuperação da virgindade”.  Na verdade, o hímen é um fragmento do processo de desenvolvimento na fase embrionária. Alguns especialistas acham que ele tem o papel de proteger o órgão genital da mulher, uma vez que na infância não há produção de hormônios suficientes para se defender de possíveis infecções. A Dra. Luísa Magalhães Ramos, cirurgiã plástica portuguesa, explicou em seu site alguns detalhes desta cirurgia.




Como é a cirurgia?

De acordo com a cirurgiã, o procedimento consiste na união das partes do hímen que se romperam, mas que ficaram ainda no canal vaginal. Ou seja, a cirurgia não passa de uma “costura” dos pedaços da membrana. A cirurgia é realizada em ambiente hospitalar e recorre a modernas técnicas de microcirurgia, utilizando colas biológicas e/ou suturas delicadas. A médica garante que este é um procedimento bastante simples e quase indolor. A anestesia é local, a paciente é sedada levemente e permanece acordada durante o procedimento. Tudo fica pronto em no máximo 40 minutos. A alta hospitalar acontece assim que o procedimento termina. O cirurgião receitará analgésicos, se necessário. Normalmente nem precisa medicação. A paciente também receberá conselhos de higiene local.

Exigências



Bem por norma, a cirurgia deve ser feita apenas em mulheres com mais de 45 anos que nunca tenham passado por parto normal. Mas, o ginecologista Marcos Desidério Ricci, do Hospital das Clínicas de São Paulo, diz que a himenoplastia costuma ser parte do protocolo de atendimento a vítimas de violência de qualquer idade. Apesar das normas que cercam a cirurgia, a mulher poderá faze-la, em qualquer idade,  se seu cirurgião plástico concordar com o procedimento.

Como fazer?

Assim que a decisão for tomada, o ginecologista deve ser consultado. Muitos farão exames de rotina e, se tudo estiver dentro da normalidade, ele mesmo poderá encaminhar a mulher ao cirurgião plástico especializado neste tipo de reconstrução. Ou, por indicação, a própria mulher poderá levar o nome do médico, mas o fato é que antes de ir ao cirurgião, um ginecologista precisa fazer uma avaliação. O cirurgião plástico fará exames pré-cirúrgicos de rotina como tempo de coagulação, hemograma completo, etc. Normalmente, o médico faz o procedimento em ambiente hospitalar, mas, alguns médicos o realizam em clínicas com espaço para pequenos procedimentos cirúrgicos.



Quanto custa?

Esse tipo de cirurgia não é custeada por nenhum plano de saúde e tampouco pelo SUS. Assim, todo o procedimento, inclusive a anestesia, deve ser paga particular. De acordo com o site Preços de Cirurgias, essa reconstrução varia entre 800-1000 euros (em torno de 3600-4000 mil reais). Mas, como essa prática não é aprovada pelo código de ética médica, cada médico pode ter seu preço.

Quais as complicações?

Apesar da simplicidade do procedimento, sabemos que todas as cirurgias trazem a possibilidade de complicações. Os riscos da himenoplastia são semelhantes aos de outras operações: reações alérgicas à anestesia, infecção, sangramento, cicatrização indevida, inchaço e hematomas. Algumas mulheres relataram perda da sensibilidade no local.

Reconstrução do hímen: Onde fazer? Como é? Quanto custa?

lmrcirurgiaplastica /fotosantesedepois / super.abril. /

 

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


O Diário de Biologia é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre de assuntos relacionados a Biologia, Saúde e Pesquisa. O material fornecido na categoria saúde, nutrição e bem-estar, não deve ser usado como conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.
Topo