Essa moça viciada em corpo perfeito morreu por ingestão excessiva de proteína, um erro comum nas academias

Dieta hiperproteica: fisiculturista de 25 anos morre por exagero na ingestão de proteína
Depois da morte de famosa fisiculturista, novos debates vêm sendo feitos sobre o abuso na dieta hiperproteica.  Exagerar na ingestão de  proteínas pode matar?

Depois da morte da famosa fisiculturista Meegan Hefford, de 25 anos, novos debates vêm sendo feitos sobre o abuso na dieta hiperproteica.  Essa dieta, muito conhecida entre os “ratos de academia”, é famosa por causar um rápido emagrecimento e ganho de massa magra, devido a uma ingestão de  proteína  em grande quantidade.

A causa mortis da moça só foi confirmada dois meses depois de ter sido encontrada morta em seu apartamento. Ela morreu exatamente quando estava se preparando para uma competição e passou a consumir quantidades altas de proteínas para definir os músculos.

A questão da morte de Meegan ficou esclarecida depois que foi descoberta que a jovem sofria de uma doença genética que impede o corpo de quebrar as proteínas (uma macromolécula) em partículas menores, gerando o acúmulo de amônia, uma substância tóxica no organismo.

A doença conhecida como “Distúrbio do Ciclo da Ureia”, consiste em uma série de reações enzimáticas que convertem a amônia, liberada durante o catabolismo das proteínas, em ureia. Isso resulta em níveis elevados de amônia no plasma sanguíneo.

♥ Proteínas: quais a principais fontes e porque elas são tão importantes para você


Neste caso, em especial, a jovem jamais deveria fazer uma dieta rica em proteínas, já que seu corpo é incapaz de metabolizá-las. Mesmo assim, as pessoas que não sofrem deste distúrbio, mas insistem na dieta da proteína para definir os músculos e ganhar massa magra, precisa tomar cuidado.

Nosso intestino é capaz de absorver no máximo 20 gramas de proteína por refeição e um valor maior será suprimido pela urina. Se não tivermos secreção apropriada de enzimas digestivas, a proteína não será transformada em aminoácido e, assim, não será utilizada.

vix

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.