Através de publicações de usuários das redes sociais, é possível detectar suas doenças mentais, diz estudo

2360
-

Se você publica muitas fotos nas redes sociais, saiba que elas podem indicar seu estado de saúde mental. A partir da detecção de alegria ou tristeza, essas fotos podem até ajudar a detectar uma depressão, antes do diagnóstico clínico.

Cientistas de duas universidades norte-americanas divulgaram que o tipo de fotografias que as pessoas colocam na rede social Instagram pode ajudar a prever e detectar através de um algoritmo um estado de depressão. Esse algoritmo pode detectar mais rapidamente a doença do que o próprio diagnóstico clínico.

Esse estudo, publicado na EPJ Data Science, mostrou que a taxa de detecção de 70% através das redes sociais é mais garantido em comparação ao sucesso de 42% dos casos resolvidos por médicos. Os cientistas contaram com a participação de voluntários, que compartilharam o seu Instagram e o seu histórico de saúde mental. Ao todo foram recolhidas 43.950 fotografias de 166 pessoas, sendo metade pessoas que declararam ter passar por um momento de depressão nos últimos três anos.

-

Ao analisar as fotos, aliadas à informação psicológica sobre a preferência das pessoas pelo brilho, cor e sombra na fotografia, os pesquisadores concluíram que pessoas mais deprimidas tendiam a divulgar fotos mais melancólicas, escuras e com menos qualidade em comparação com aquelas publicadas por pessoas saudáveis.

Outra observação importante foi que as pessoas saudáveis usam filtros com cores mais quentes e brilhantes, já as pessoas deprimidas utilizam filtros que normalmente utilizam as cores preto e branco. O fato de mostrarem menos o rosto nas fotos compartilhadas também pode ser um indicador de que as pessoas deprimidas tendem a interagir menos.

Os cientistas afirmam que a utilização desse algoritmo pode ser capaz de auxiliar as pessoas no início das doenças mentais, evitando falsos diagnósticos. Essa ferramenta também pode ser utilizada para apoiar a detecção precoce para aquelas pessoas que não tem acesso a médicos especialistas.

zap
-