Nosso corpo produz a própria ‘Cannabis’ quando corremos


Um estudo realizado na Universidade de Heldeberg, na Alemanha revelou que nosso corpo não libera apenas endorfinas quando corremos. A sensação de euforia e estimulação que sentimos com a corrida na realidade é motivada pelos endocanabinóides, substâncias produzidas pelo corpo que são semelhantes àquelas encontradas na maconha.

Para os resultados obtidos, foram  feitos testes com ratos que apresentaram níveis elevados tanto de endorfinas quanto de endocanabinóides após correr. Os pesquisadores também observaram que os roedores apresentavam menos ansiedade e sensibilidade depois de praticarem a atividade física.

Assim que os cientistas passaram a usar medicamentos para bloquear os receptores de endocanabinóides, os ratos pararam de ficar relaxados após a corrida, mostrando sinais de ansiedade e cansaço antes da atividade. Mas quando bloquearam os receptores opioides, cuja modulação é feita pelas endorfinas, não alterou em nada a tranquilidade dos animais.


De acordo com o artigo, os ratos precisavam correr uma média de cinco quilômetros por dia para sentirem os efeitos similares ao da cannabis.

imagem425_1

Fonte: superpride/ wired.co   Imagens: Reprodução/superpride/clubedecorrida

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.