Quando a queimadura forma bolhas, é melhor estourá-las ou deixar que desapareçam sozinhas?

Queimadura com bolha: O que fazer? Eu devo estourar ou não?

“O que é melhor quando temos uma queimadura com bolha: estourar a bolha ou deixar para que o organismo absorva? Então, o que fazer? Eu devo estourar ou não? ” (Jaylton Serra)

As bolhas aparecem geralmente quando ocorre uma queimadura de segundo grau, Jaylton. As queimaduras de segundo grau são quando as lesões afetam também algumas das camadas inferiores da pele. O tratamento necessário depende da gravidade da queimadura, sendo que a bolha é uma bolsa levantada na pele, cheia de líquido geralmente límpido em cor. Ela ocorre quando a pele entra em contato com o fogo, calor ou superfícies escaldantes.

Para um melhor tratamento, as bolhas devem ser drenadas, porém não retiradas totalmente. Isso significa que se pode e se deve procurar um médico para que ele possa retirar o líquido que tem dentro da bolha, sem remover a pele que a forma. Isso porque a pele da bolha serve como um curativo biológico, acelerando a recuperação da área que está abaixo dela. Além disso quando a pessoa estoura uma bolha, ela abre uma área que está exposta ao risco de infecção. Por isso quando a bolha estoura sozinha é importante manter a área coberta para evitar infecções.

♥ Novo procedimento de tatuagem deixa cicatrizes de queimaduras invisíveis!


Após o rompimento da bolha, curativos com sulfadiazina de prata ou nitrato de cério, e limpeza com água corrente e clorexidina devem ser feitos. Essa substâncias são encontradas em pomadas receitadas pelos médicos. Durante a cicatrização deve-se utilizar filtro solar para evitar que surjam manchas na pele.

Outro tratamento imediato que podem contribuir para uma diminuição do ardor causado pela queimadura são mergulhar a área queimada em água gelada para diminuir o calor da queimadura. Também pode ser utilizada uma compressa gelada, porém deve se evitar o gelo. Preste atenção a qualquer sinal de infecção, incluindo inchaço, vermelhidão ou pus. Em qualquer um desses casos procure um médico.

Fonte: sbd e ehow

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.