Raio-X de pessoas que engoliram ou inseriram objetos em seus corpos


Em 2011 três médicos lançaram o livro chamado “Stuck Up!: 100 Objects Inserted and Ingested in Places They Shouldn’t Be” relata e mostra imagens reais de pessoas que ingeriram ou inseriram objetos em seus corpos. São moedas, fitas cassetes, fios elétricos, bonecos e muito mais.

Os pacientes com objetos estranhos alojados no corpo geralmente se encaixam em três categorias: aqueles que engoliram os objetos, os que tiveram acidentes (como baratas que entram pelo ouvido) e aqueles que inseriram intencionalmente objetos em suas aberturas genitais ou no ânus e não conseguiram retirar.

Além relatar os casos e mostrar as imagens, o livro ainda revela as supostas “razões” para a inserção ou ingestão de objetos. Curiosamente, a desculpa mais comum é “eu estava bêbado”, mas muitos pacientes relataram que “caiu em cima do objeto” enquanto alguns admitem que procuravam prazer sexual. Alguns assumiram que engoliam objetos sem nenhuma razão especial, apenas para “ver o que ia acontecer”. Mas tem caso também de uma pessoa que inseriu uma boneca Barbie e outro que inseriu um boneco do “Buzz Lightyear”.

tesoura

oculos

saleiro

ipod

garfo

fio

batedor

barbie

buzz


cassete

Fonte: The Twist Gossip

 


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.