Pés-de-lótus: Para se casarem, mulheres chinesas eram obrigadas a ter os pés com no máximo 10 centímetros

Pé-de-lótus: na China antiga mulheres eram obrigadas a ter pés de 10 centímetros

O pé-de-lótus ou pé-de-ligação (footbinding, em inglês)  foi um antigo costume da China em que os pés de meninas jovens eram reduzidos de tamanho para que estes se mantivessem com no máximo 10 centímetros de comprimento. Os pés das mulheres jovens eram rigorosamente acoplados em pequenos sapatos a fim de restringir ao máximo o crescimento. O objetivo era ter o menor pé possível, o que no passado significava sensualidade e quanto menor o pé, mais homens se interessariam por elas.

Este costume teve origem na China Imperial dos séculos X-XI e era uma prática entre as mulheres mais ricas e desejadas da época. Embora os pés-de-lótus fossem um símbolo de status e alta posição social, o costume se espalhou por toda cultura. Com a chegada do século XII, até as mulheres de famílias mais pobres passaram a praticar. A prática se tornou indispensável para que uma mulher encontrassem um marido, então, a maioria das famílias exigia as mulheres escolhidas para se casarem com seus filhos tivessem pés ligados. Quem não conseguisse ter um pé ligado conforme a tradição ficaria solteira para o resto da vida.

O procedimento parecia mais um tortura. Por volta dos três anos de idade, os dedos do pés das meninas eram fraturados e os pés firmemente amarrados com tiras de linho para impedir seu crescimento e cicatrizar as fraturas naquela posição. Um pé-de-lótus ideal media não mais que 8 centímetros e para alcançar o objetivo, os dedos quebrados era dobrados em direção a sola do pé que tomava um formato côncavo.

Não é preciso dizer que as consequências físicas eram inúmeras. As mulheres tinham muita dificuldade de caminhar e não podiam ficar de cócoras. As quedas eram muito comuns e as mulheres permaneciam sentadas a maior parte do tempo. Para se levantar da posição sentada, precisavam da ajuda dos seus maridos (e acredite: isso era considerado “chiquérrimo”!). Viverem assim por toda vida deformava os ossos do quadril e da coluna, aumentando também os riscos de fraturas do fêmur.

No século XX os pés-de-lótus foram proibidos pelo governo chinês, mas a prática continuou em segredo ainda por muitos anos. Hoje, a prática foi completamente abolida da cultura, no entanto, ainda é possível encontrar senhoras idosas que exibem orgulhosas seus pés ligados!

Pé-de-lótus: na China antiga mulheres eram obrigadas a ter pés de 10 centímetros

Pé-de-lótus: na China antiga mulheres eram obrigadas a ter pés de 10 centímetros
Sapato usado mulheres adultas nos séculos X-XII.

Pé-de-lótus: na China antiga mulheres eram obrigadas a ter pés de 10 centímetros


Pé-de-lótus: na China antiga mulheres eram obrigadas a ter pés de 10 centímetros

Pé-de-lótus: na China antiga mulheres eram obrigadas a ter pés de 10 centímetros
Ainda hoje, há mulheres idosas que ainda prezam este costume.

Pé-de-lótus: na China antiga mulheres eram obrigadas a ter pés de 10 centímetros

Pé-de-lótus: na China antiga mulheres eram obrigadas a ter pés de 10 centímetros
Raio-X de um pé-de-lótus.
Fonte: Okerry

 


Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos. 


Bióloga - CRBio/RJ 96514/02-D. Fundadora e administradora do Diário de Biologia. Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas. Doutorado (2013) e Mestrado (2009) em Zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, especialista em insetos, autora do livro "O Mundo Secreto dos Insetos" - Cortez Editora. Experiência com palestras nacionais e internacionais. É autora ou coautora de artigos científicos publicados em revistas científicas, livros e capítulos de livro, e comunicações em eventos nacionais e internacionais. Colaboradora em revistas de divulgação científica para crianças (Ciência Hoje Para Crianças e Revista Recreio). Interessada em cultivo de plantas carnívoras. Atualmente mora na França, mas seu coração é brasileiro. Instagram: @karlla_diariodebiologia.